Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.043,67
    -151,42 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Petrobras já recebe dados sobre Prates para acelerar avaliação de novo CEO, dizem fontes

Jean Paul Prates, indicado para CEO da Petrobras

Por Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Departamentos de governança da Petrobras já estão recebendo informações de forma a acelerar o processo que buscará checar a integridade e a elegibilidade do senador Jean Paul Prates (PT-RN) para que ele possa assumir o comando da estatal, disseram duas fontes da companhia à Reuters.

O governo trabalha com a possibilidade de que Prates possa assumir o posto ainda em janeiro, mas alguns trâmites precisam ser vencidos. Por isso, comitês da Petrobras já avaliam informalmente as informações sobre indicado ao posto de presidente da petroleira, para que se ganhe tempo quando o processo formal for iniciado.

Atualmente, o nome do senador indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda passa por checagens de antecedentes de integridade na Casa Civil, passo necessário antes que possa ser oficialmente indicado pelo governo federal ao Conselho de Administração da petroleira.

Até o momento, o conselho da Petrobras ainda não recebeu a indicação oficial para a aprovação de Prates ao cargo de presidente, segundo outras duas fontes. Procurada, a Petrobras afirmou que se manifestará oportunamente ao mercado assim que houver novidades sobre o tema. Enquanto o Ministério de Minas e Energia afirmou que não antecipa comentários de temas da companhia com ações listadas.

Dentro da empresa haveria um apoio e uma boa vontade em torno do nome do senador, segundo uma das fontes.

"Há um movimento para acelerar o processo de chegada dele", disse essa fonte, na condição de anonimato.

"Foi acelerada a disponibilidade de informações para avaliação... Quando chegar a indicação formal da Casa Civil, o processo já estará bem encaminhado", disse a fonte.

Essa pessoa pontuou que a ideia é que Prates possa assumir o comando "logo", talvez ainda em janeiro, após concluídos todos os trâmites exigidos.

Conforme as regras, após a indicação oficial do governo ao conselho, a empresa deverá conduzir um processo de checagem de antecedentes de integridade e elegibilidade.

Depois disso, caso Prates seja aprovado, o governo buscará que o conselho já aprove a sua indicação ao cargo de CEO, a exemplo do que aconteceu com o presidente anterior Caio Paes de Andrade, quando eleito.

Havia inicialmente uma expectativa do governo de que a análise na Casa Civil fosse concluída no início deste mês.

A segunda fonte pontuou, no entanto, que há uma lista de verificações a realizar. Se a pessoa indicada tem empresas, como é o caso de Prates, a investigação alcança também a regularidade fiscal dessas sociedades, acrescentou.

Prates tem mais de 25 anos de experiência nas áreas de petróleo, gás natural, biocombustíveis, energia renovável e recursos naturais, o que tem sido apontado por agentes do mercado como positivo, pois o gabarita para assumir a importante posição.

Mas sua atuação como proprietário de empresas que operam na área de energia precisa também passar pelas verificações necessárias, conforme o previsto em regulamentos. Para assumir o posto, ele não pode estar ligado a prestadores de serviços para a Petrobras, por exemplo.

Sobre esse tema, a assessoria de imprensa do senador já afirmou anteriormente não ver empecilhos.

Na ocasião, a assessoria disse que as empresas das quais Prates participou encontram-se desativadas há vários anos ou ele já se desligou delas também há alguns anos.

A assessoria de Prates disse que ele manterá apenas a holding chamada Singleton ativa com o objetivo de administrar imóveis de sua propriedade.