Mercado abrirá em 49 mins
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.779,60
    +12,80 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    60.852,47
    -1.441,80 (-2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.354,15
    -26,80 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.020,05
    +36,55 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.034,50
    +20,50 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7416
    +0,0205 (+0,31%)
     

Petrobras inicia processo para desativar térmica na Bahia vista como inviável

Luciano Costa
·3 minuto de leitura

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras iniciou processo junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) visando a desativação de uma termelétrica a gás e vapor na Bahia conhecida como Termocamaçari, que passou a ser vista como inviável pela empresa.

A companhia entrou com um pedido formal de revogação da autorização concedida para a usina também devido a mudanças em seus planos no setor de gás natural e geração de eletricidade.

"A estratégia da Petrobras no segmento de gás e energia está focada em atuar de forma competitiva na comercialização do gás próprio e em otimizar o portfólio termoelétrico para autoconsumo", disse a petroleira à Reuters, por meio da assessoria de imprensa, ao ser questionada sobre o ativo.

"Em linha com esse direcionamento estratégico, foi iniciado o processo de revogação da outorga da usina termelétrica Termocamaçari."

A usina, antes conhecida como UTE Rômulo Almeida, possui 120 megawatts em capacidade instalada, com três turbinas a gás e uma movida a vapor.

A Petrobras disse à Reuters que a usina térmica havia selado seus últimos contratos de venda da produção em um leilão de energia realizado pelo governo em 2014 e que a obrigação de suprimento decorrente desse acordo foi encerrada em dezembro de 2017.

A partir daí, "os resultados passaram a apontar a inviabilidade econômica do ativo", afirmou a companhia.

"Desde então, a unidade está sem contrato de comercialização de energia elétrica, apesar de todos os esforços na busca de novos contratos que viabilizassem sua continuidade", acrescentou.

No ano passado, a Petrobras chegou a cadastrar a Termocamaçari, junto com diversos outros ativos térmicos, em um leilão previsto pelo governo para contratar por 15 anos a produção de usinas a gás ou carvão, incluindo empreendimentos novos ou reformados.

Mas a licitação acabou suspensa pelo Ministério de Minas e Energia devido a incertezas relacionadas à pandemia de coronavírus. Um novo leilão nesses moldes está previsto agora para junho.

A Aneel deve avaliar na terça-feira o pedido da Petrobras para revogação da autorização da Termocamaçari, segundo a pauta da próxima reunião de diretoria do órgão regulador.

Em carta à agência, vista pela Reuters, a petroleira disse que três das quatro máquinas da usina estão com operação comercial suspensa pela Aneel desde 2019 e que uma "revisão geral" dos equipamentos "demandaria vultosos investimentos por parte da Petrobras, sem nenhuma garantia de remuneração".

"Nesse sentido, atualmente a UTE Termocamaçari não se mostra economicamente viável no mercado de energia", acrescentou a estatal, ao pedir a desativação.

Questionada pela Reuters, a empresa disse que ainda realizará avaliações internas sobre o futuro do ativo na Bahia.

"Em relação aos equipamentos, serão adequadamente conservados de modo a manterem sua integridade operacional, enquanto se concluem os estudos que definirão a destinação da UTE", afirmou, em nota.

Instalada em Camaçari, a usina operou antes como UTE Rômulo de Almeida, nome de ex-deputado federal pela Bahia ligado à corrente trabalhista.

A unidade foi renomeada em meio à substituição em meados de 2019 pela Petrobras dos nomes de diversas personalidades dadas a seus empreendimentos.

(Por Luciano Costa)