Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.781,53
    +1.229,09 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.575,88
    -93,37 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,64
    +0,61 (+1,52%)
     
  • OURO

    1.905,10
    -24,40 (-1,26%)
     
  • BTC-USD

    13.116,97
    +2.059,97 (+18,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,42
    +8,32 (+3,25%)
     
  • S&P500

    3.453,28
    +17,72 (+0,52%)
     
  • DOW JONES

    28.372,56
    +161,74 (+0,57%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.631,50
    -59,75 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6192
    -0,0308 (-0,46%)
     

Petrobras inicia fase não-vinculante do processo de venda do Polo Potiguar

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras iniciou a fase não-vinculante do processo de venda da totalidade de sua participação no Polo Potiguar, conjunto de 26 concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas no Rio Grande do Norte, informou a empresa nesta segunda-feira.

"Os potenciais compradores habilitados para essa fase receberão instruções sobre o processo de desinvestimento, incluindo as orientações para elaboração e envio das propostas não-vinculantes, além de acesso a um data room virtual contendo informações adicionais sobre o polo", disse a estatal em comunicado.

O processo de venda do ativo teve início no final de agosto, com a divulgação do "teaser".

O Polo Potiguar compreende os subpolos Canto do Amaro, Alto do Rodrigues e Ubarana, com 23 concessões terrestres e três marítimas, e também inclui acesso a infraestrutura de processamento, refino, logística armazenamento, transporte e escoamento de petróleo e gás natural.

O ativo registrou produção média de aproximadamente 23,2 mil barris por dia (bpd) de petróleo e 108 mil metros cúbicos diários de gás natural entre janeiro e agosto deste ano, segundo a Petrobras.

A transação inclui, além das concessões e suas instalações, a refinaria Clara Camarão (RPCC), localizada na cidade potiguar de Guamaré, que possui capacidade instalada para o processamento de 39.600 bpd, acrescentou a petroleira, que disse que as próximas etapas do desinvestimento serão "informadas oportunamente ao mercado".

(Por Gabriel Araujo)