Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.722,07
    +927,74 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Petrobras inicia fase não vinculante para venda do Polo Bahia Terra

·1 minuto de leitura
Logo da Petrobras fotografado em Vitória (ES)

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras iniciou a fase não vinculante para venda da totalidade de suas participações em um conjunto de 28 concessões de campos de produção terrestres na Bahia, denominado Polo Bahia Terra, informou a empresa nesta quarta-feira.

Os ativos, que possuem instalações integradas, estão localizados na Bacia do Recôncavo e Tucano. A companhia havia iniciado o processo de desinvestimento em novembro, quando realizou a etapa de divulgação de oportunidade.

Os potenciais compradores habilitados para a fase não vinculante receberam instruções sobre o processo, incluindo orientações para elaboração e envio das propostas, e acesso a um ambiente virtual com mais informações sobre o Polo Bahia Terra, afirmou a Petrobras.

O polo possui cerca de 1,7 mil poços em operação, além de estações coletoras e de tratamento, parques de estocagem e movimentação de petróleo, gasodutos e oleodutos e outras infraestruturas associadas, disse a petroleira, que é operadora dos campos com 100% de partipação.

Os ativos tiveram produção média de cerca de 14 mil barris de óleo por dia e 618 mil metros cúbicos diários de gás entre janeiro e novembro de 2020.

(Por Gabriel Araujo)