Mercado fechará em 39 mins
  • BOVESPA

    112.188,77
    +899,59 (+0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.904,92
    -132,13 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,90
    -0,45 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.792,50
    -37,20 (-2,03%)
     
  • BTC-USD

    36.167,40
    -1.691,94 (-4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    827,06
    +7,56 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.326,04
    -23,89 (-0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.112,65
    -55,44 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.071,25
    -87,25 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0410
    -0,0654 (-1,07%)
     

Petrobras espera vender campos de petróleo apesar de eleições

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A Petrobras planeja continuar vendendo campos de petróleo menos rentáveis em 2022 e manter políticas de mercado, mesmo com o provável debate sobre a independência da estatal em um ano de eleições.

Most Read from Bloomberg

O foco da empresa será a venda de campos em terra e águas rasas, onde os custos por barril são maiores do que em águas ultraprofundas, disse o diretor financeiro da Petrobras, Rodrigo Araujo Alves, em entrevista à Bloomberg na terça-feira. A empresa também planeja dar continuidade à venda de refinarias, processo que deixou o mercado nacional de combustíveis mais competitivo.

“Ativos upstream não são tão afetados” pelas eleições, disse Araujo. “Esperamos assinar e concluir acordos em 2022.”

Vendas de ativos têm sido um componente-chave do sucesso da Petrobras na redução do endividamento nos últimos anos. A estatal aumentou o pagamento de dividendos após cortar a dívida total para menos de US$ 60 bilhões, e as vendas de outros ativos ajudarão a garantir o pagamento de dividendos caso os preços do petróleo caiam.

A Petrobras também vai manter a política de acompanhar as cotações internacionais da gasolina e do diesel, mesmo sob a pressão do presidente Jair Bolsonaro e de políticos da oposição para controlar os preços.

“A empresa é independente”, disse Araujo.

A recente queda do petróleo adiou temporariamente a necessidade de aumentar os preços domésticos dos combustíveis. Araujo disse que a Petrobras trabalha com uma previsão média para o Brent de US$ 72 o barril no ano que vem.

O compromisso da empresa com preços dos combustíveis alinhados com o mercado será desafiado durante a campanha eleitoral. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que atualmente lidera pesquisas de opinião antes das eleições de 2022, disse que vai reverter a política de combustíveis da Petrobras para manter os preços sob controle. A estatal perdeu dezenas de bilhões de dólares com subsídios para a gasolina e o diesel durante o governo do Partido dos Trabalhadores.

Na semana passada, a Petrobras anunciou aumento de 24% em seu plano de negócios quinquenal, para US$ 68 bilhões, perto dos níveis vistos antes de a pandemia abalar o mercado de petróleo em 2020. Ganhos com a valorização do petróleo, juntamente com vendas de ativos, têm ajudado a financiar o desenvolvimento de campos no pré-sal.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos