Mercado abrirá em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,61
    +0,22 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.883,90
    +4,70 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.268,50
    +26,54 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,59
    -10,10 (-3,70%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.613,36
    -95,44 (-0,39%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.279,50
    +146,75 (+1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7394
    +0,0050 (+0,07%)
     

Petrobras sobe gasolina em 4% e interrompe sequência de cortes de preço

Por Rodrigo Viga Gaier
·1 minuto de leitura
Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco
Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras elevará os preços médios da gasolina em suas refinarias em 4% a partir de quarta-feira, informou a companhia nesta terça-feira, em movimento que interrompe uma sequência de três quedas nos valores do produto.

Já o diesel, combustível mais utilizado do Brasil, não terá alterações, informou a estatal por meio da assessoria de imprensa. Nos reajustes anteriores, a companhia havia cortado também os valores desse derivado de petróleo.

Apesar do aumento, os preços da gasolina seguirão 13,4% abaixo das máximas de 2020, registradas logo no começo do ano, quando o combustível era vendido nas refinarias da Petrobras por 1,9173 real por litro, segundo dados compilados pela Reuters.

Os preços caíram fortemente a partir de março, em meio aos impactos da pandemia de coronavírus sobre o mercado de petróleo e combustíveis, e chegaram a tocar mínimas abaixo de 1 real por litro em meados de abril antes de voltarem a subir.

A Petrobras defende que sua política de preços tem como base a paridade de importação, o que leva em conta fatores como as cotações do petróleo no mercado internacional e o câmbio.

Os futuros do petróleo Brent, referência internacional, avançaram pouco mais de 4% desde o último reajuste da Petrobras, enquanto o real também perdeu valor frente ao dólar no período.

Mas o repasse dos movimentos de preço nas refinarias aos postos não são garantidos e nem automáticos e dependem de diversos fatores, incluindo margem de distribuição e tributos.

(Com reportagem adicional de Luciano Costa)