Mercado abrirá em 1 h 24 min

Petrobras eleva em 7,4% preço da gasolina nas refinarias

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras elevará em 7,4% o preço médio de venda da gasolina em suas refinarias a partir desta quarta-feira (25). Segundo a estatal, o preço médio passará de R$ 3,08 para R$ 3,31 por litro.

É o primeiro reajuste após a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ainda não conseguiu nomear no comando da estatal seu indicado, o senador Jean Paul Prates (PT-RN). A última vez que a Petrobras mexeu no preço da gasolina foi no início e dezembro, com corte de 6,1%.

O aumento já era cobrado pelo mercado, diante das elevadas defasagens em relação às cotações internacionais. Desde o fim do ano, com raras exceções, a Petrobras vinha vendendo o produto no país a preços menores do que no exterior.

Segundo cálculo da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), na abertura do mercado desta terça (24) o preço médio da gasolina nas refinarias do país estava 14%, ou R$ 0,49 por litro, abaixo da paridade de importação, conceito que simula quanto custaria para trazer o produto do exterior.

Isto é, o aumento desta quarta não será suficiente para cobrir a defasagem. O governo Lula, porém, tem afirmado que não seguirá o conceito de paridade de importação na venda dos combustíveis, já que o Brasil produz grande parte do volume que consome.

Analistas do Goldman Sachs avaliam que a Petrobras reduziu à metade a defasagem em relação ao nível de preços do Golfo do México, principal referência para importações brasileiras. Pelas suas contas, a diferença caiu de 34% para 17%.

Relatório assinado pelos analistas Bruno Amorim, João Frizo e Guilherme Costa Martins conclui, porém, que as margens de refino da companhia "permanecem em níveis saudáveis".

Em nota, a Petrobras diz que o aumento "acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio".

Considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro no produto vendido nos postos, diz a estatal, sua parcela no preço de bomba será, em média, de R$ 2,42 por litro, ou R$ 0,17 acima do valor médio vigente até esta terça.

Na semana passada, a gasolina foi vendida pelos postos brasileiros, em média, a R$ 4,98 por litro. Foi a primeira vez no ano que o valor ficou abaixo de R$ 5, após repique que levou órgãos de defesa da concorrência a anunciar investigações sobre os postos.

Na primeira semana de 2023, o litro chegou a bater R$ 5,12, movimento atribuído por governistas a tentativa de tumultuar o ambiente econômico após a posse de Lula.

Ao assumir, o novo presidente decidiu prorrogar por 60 dias isenção de impostos federais sobre os combustíveis para conter os efeitos inflacionário e os danos à imagem do governo que o retorno da cobrança provocaria.

Sua indicação para a Petrobras será avaliada pelo conselho de administração da companhia nesta quinta (26) e a expectativa é que, mesmo com um colegiado majoritariamente bolsonarista, Prates já tenha conseguido votos suficientes para sua nomeação.

O reajuste foi criticado pela FUP (Federação Única dos Petroleiros), que reúne os sindicatos de empregados da estatal e indicou representante à equipe de transição do novo governo para a área de energia.

Em comunicado em que lembra que Prates ainda não assumiu, a federação questiona decisões da "gestão bolsonarista" da estatal sobre preços e negociações para venda de ativos.

"Agora que passaram as eleições, estão buscando tirar essa defasagem, devido à pressão dos acionistas minoritários, e colocar a culpa no novo governo, que ainda não conseguiu assumir a gestão da Petrobras como acionista majoritário e controlador que é", diz o texto.

"Considerando que nos próximos 30 dias vamos ter aumento médio de 5% na gasolina, isso vai trazer um impacto para a inflação de 0,25 ponto percentual. Desse 0,25, uma pequena fração, 0,05 ponto percentual, deve ser sentida ainda em janeiro", estima o economista da FGV (Fundação Getulio Vargas) André Braz, especialista em inflação.

Mas a maior parte do aumento vai para a inflação de fevereiro, que já é carregada pelo aumento das mensalidades escolares. A perspectiva é de uma inflação em fevereiro mais próxima de 0,8% ou 0,9%, acima da expectativa para janeiro, que deve ficar em torno de 0,6%, diz.

*

Colaborou DOUGLAS GAVRAS, de São Paulo