Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.137,72
    -89,44 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Petrobras deve anunciar novo reajuste nos preços dos combustíveis ainda hoje

Petrobras: Aumento previsto gira entre 12% e 14% do valor atual e deve entrar em vigor já na próxima semana.
Petrobras: Aumento previsto gira entre 12% e 14% do valor atual e deve entrar em vigor já na próxima semana.

O Conselho de Administração da Petrobras autorizou, nesta quinta-feira (16), um novo reajuste nos preços do diesel e da gasolina, segundo informações apuradas pelo jornal O Globo. Os novos valores devem entrar em vigor já na próxima semana.

A empresa foi procurada pela redação do jornal para confirmar a informação, mas respondeu que “por questões concorrenciais, a Petrobras não pode antecipar decisões sobre manutenção ou reajuste de preços”.

Fontes ouvidas pelas CNN Brasil disseram que "o aumento previsto gira entre 12% e 14% do valor atual. Pela mistura com o biodiesel, que representa 10% da composição do que é vendido nos postos, o impacto na ponta será um pouco menor do que o anunciado para as distribuidoras".

Pedido em vão

Na última segunda-feira (13), representantes do governo federal se reuniram com a diretoria da Petrobras para pedir o adiamento dos reajustes dos combustíveis. Os aumentos de 9% e 11%, respectivamente, teriam como objetivo reduzir a defasagem com relação ao mercado internacional, que já estaria na faixa de 17% a 18%.

O presidente Jair Bolsonaro tem apontado a Petrobras como a principal responsável pelos aumentos do preço dos combustíveis no Brasil. Ele avalia que a empresa deveria segurar os preços para evitar os impactos sociais na inflação e que os sucessivos reajustes possam comprometer sua imagem neste período pré-eleições.

Ainda nesta quarta-feira, a Petrobras alertou o governo sobre o risco de desabastecimento de óleo diesel no Brasil se não houver aumento no preço do combustível. O aviso foi feito numa reunião em Brasília entre o presidente demitido da Petrobras, José Mauro Coelho, o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos