Mercado abrirá em 39 mins
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,28
    -0,07 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.783,70
    -9,40 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    54.985,95
    -29,73 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.280,34
    +17,38 (+1,38%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.906,07
    +10,78 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.894,25
    -25,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6641
    -0,0379 (-0,57%)
     

Petrobras demite responsável pela área de recursos humanos

NICOLA PAMPLONA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A duas semanas da mudança em seu comando, a Petrobras decidiu demitir o gerente-executivo de Recursos Humanos da estatal, Cláudio Costa. O motivo da demissão não foi divulgado, mas empresa diz que não houve justa causa. A saída de Costa ocorre cinco dias depois que quatro dos oito diretores da companhia anunciaram que não pretendem permanecer em seus cargos com o general Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para substituir o presidente atual, Roberto Castello Branco. Costa assumiu o cargo em janeiro de 2019, levado à estatal por Castello Branco. Antes, havia trabalhado na TAM, na Ecorodovias e na Prefeitura de São Paulo, entre 2017 e 2018. Sua gestão tem sido muito criticada por sindicatos devido a mudanças em políticas de remuneração, plano de saúde e na condução de negociações trabalhistas. Costa foi um dos criadores do novo plano de remuneração variável, que ampliou os ganhos de executivos em cargos de chefia. Questionada sobre o motivo da demissão, a Petrobras disse apenas que "não houve justa causa" e que Pedro Brancante, chefe do gabinete da presidência da companhia, ocupará a função interinamente até indicação de novo executivo para o cargo. No dia 12 de abril, os acionistas da Petrobras se reúnem em assembleia para avaliar a indicação de Silva e Luna para o conselho de administração da companhia, que o nomeará à presidência da empresa por indicação de Bolsonaro. A troca de comando na empresa em meio à críticas sobre a escalada dos preços dos combustíveis, o que gerou no mercado temores sobre intervenção do governo nas políticas comerciais da companhia e culminou com a perda de R$ 102,5 bilhões em valor de mercado em apenas dois dias. A maneira como o processo foi conduzido por Bolsonaro gerou uma debandada no conselho de administração da empresa e é alvo de quatro investigações na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que regula as empresas com ações em bolsa. Duas investigações avaliam se foram cumpridos os procedimentos legais para a divulgação de fatos relevantes por companhias abertas, já que o anúncio foi feito por Bolsonaro em uma rede social um dia depois de sinalizações que o presidente mexeria no comando da empresa. A terceira avalia se o currículo de Silva e Luna atende requisitos legais para comandar a companhia -seu nome foi aprovado com algumas ressalvas pelo comitê interno responsável pelo assunto em reunião que teve tentativa de veto por parte de um conselheiro. A quarta investiga suposto uso de informações privilegiadas em operações com opções de venda de ações da estatal realizadas logo após reunião ministerial que selou o destino de Castello Branco.