Mercado abrirá em 3 h 43 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,74
    +3,59 (+5,27%)
     
  • OURO

    1.796,10
    +8,00 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    57.481,53
    +2.790,02 (+5,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.435,24
    -20,17 (-1,39%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.120,21
    +76,18 (+1,08%)
     
  • HANG SENG

    23.859,50
    -221,02 (-0,92%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.217,00
    +166,00 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2887
    -0,0598 (-0,94%)
     

Petrobras decide concluir refinaria Abreu e Lima, pivô de escândalo na Lavo Jato

·4 min de leitura
***ARQUIVO***CABO FRIO, RJ, 26.09.2012 - Fachada da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
***ARQUIVO***CABO FRIO, RJ, 26.09.2012 - Fachada da Petrobras em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Depois de fracassar na tentativa de venda da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a Petrobras decidiu retomar investimentos para concluir as obras da unidade, que haviam sido suspensas após o início da Operação Lava Jato.

A expansão é parte de um orçamento de US$ 2,6 bilhões (R$ 14,5 bilhões, pela cotação atual) previsto pelo novo plano de investimentos da estatal em seu parque de refino, que pretende elevar a capacidade de produção de diesel menos poluente no Brasil.

Conhecida como Rnest, a Abreu e Lima permanece no plano de venda de ativos da Petrobras, mas a direção da empresa avalia que o fato de estar inconcluída pesou nas negociações com interessados, que foram encerradas em agosto.

"Acreditamos que o término da obra vai adicionar valor ao ativo, possibilitando o desinvestimento com sucesso", disse em conferência virtual com analistas nesta quinta-feira (25) o diretor de Refino e Gás da estatal, Rodrigo Costa.

O plano prevê US$ 1 bilhão (R$ 5,6 bilhões) para a Rnest, para ampliação de sua primeira unidade de refino e instalação da segunda, que era prevista no projeto original mas acabou sendo abandonada após o início das investigações sobre corrupção nas obras.

Hoje, a refinaria tem capacidade para processar 230 mil barris de petróleo. Com os novos aportes, a Petrobras espera ampliar essa capacidade em 145 mil barris por dia. A produção de diesel S-10, com menor teor de enxofre, na unidade crescerá em 95 mil barris por dia.

A Rnest foi projetada ainda no governo Lula como parte de um acordo bilateral de investimentos com a Venezuela, ainda sob o comando de Hugo Chávez. O projeto original previa uma unidade para processar o pesado óleo produzido pela estatal venezuelana PDVSA.

O projeto foi alvo não só da Lava Jato, mas de processos na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e no TCU (Tribunal de Contas da União), que chegou a lançar uma publicação sobre sua atuação no caso, batizada de "Gestão Rnest: uma história que precisa ser contada para não ser repetida".

O documento se propõe a mostrar "como uma ideia virtuosa e promissora pode se transformar num malogro comercial bilionário" e "como um sistema teórico de governança e compliance extremamente sofisticado pode ser subvertido ao ponto de enredar toda a alta administração de uma empresa".

Na conferência com analistas, a direção da Petrobras disse que o investimento ainda está sendo analisado pelas instâncias internas de governança e só será feito se a avaliação financeira indicar retorno para o capital empregado nas obras.

Lançado na quarta (24), o plano de investimentos para os próximos cinco anos é focado na exploração e produção de petróleo e gás, que receberão 84% dos US$ 68 bilhões (R$ 381 bilhões) previstos para o período.

Mas surpreende ao trazer novos aportes em refino, segmento do qual a Petrobras anunciou a intenção de reduzir significativamente sua participação, com a venda de 8 de suas 13 unidades, processo que depois foi avalizado em acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Além da Rnest, os outros projetos de expansão estão previstos para unidades que a estatal pretende manter em seu portfólio, a Refinaria de Paulínia (SP), a Refinaria de Duque de Caxias (RJ) e a Refinaria Henrique Lage, em São José dos Campos (SP).

As obras de ampliação nas três ampliarão em 132 mil barris por dia a capacidade de produção de diesel S-10, diz a estatal.

O plano prevê ainda a integração da Refinaria de Duque de Caxias ao Pólo GasLub, antigo Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), para a produção de óleos para lubrificantes, diesel S-10 e querosene de aviação.

O Comperj também foi um dos principais projetos investigados pela Operação Lava Jato. Seria um complexo de refinaria e empresas do setor petroquímico, mas hoje tem foco no recebimento e processamento de gás natural do pré-sal.

A Petrobras e o governo do Rio de Janeiro tentam transformar a área em um distrito industrial voltado a negócios que consomem gás natural, como as indústrias química, de fertilizantes, vidro e cerâmica, por exemplo.

O diretor de Refino da Petrobras disse que a expansão das unidades da estatal não eliminará a necessidade de importação de combustíveis pelo país. Ele acredita, porém, que os compradores das refinarias que hoje estão à venda também investirão em ampliações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos