Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,97
    -0,77 (-0,98%)
     
  • OURO

    1.646,50
    -9,10 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    18.886,57
    -191,63 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    432,58
    -11,96 (-2,69%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.960,61
    -57,99 (-0,83%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.307,25
    -69,50 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0724
    -0,0252 (-0,49%)
     

Petrobras contesta MPF após pedido de suspensão de perfuração na Foz do Amazonas

Fachada da sede da Petrobras no Brasil

(Reuters) - A Petrobras contestou, nesta terça-feira, as alegações do Ministério Público Federal (MPF) em relação ao pedido de suspensão da perfuração marítima programada para a bacia da foz do rio Amazonas, feito na segunda-feira..

A petroleira afirmou, em nota, que ouviu comunidades indígenas e quilombolas da região afetada pela atividade exploratória e que cumpre todas as condições estabelecidas no licenciamento ambiental do bloco FZA-M-59.

O MPF alega que haverá impactos para quatro comunidades indígenas no Amapá e comunidades quilombolas e ribeirinhas no Pará, e que não houve consulta prévia, um direito desses povos.

Os promotores também afirmam que até agora não houve um "estudo competente" de modelagem mostrando a dispersão do óleo da costa em caso de acidentes, o que implica "enorme potencial de danos ambientais sobre a costa da Amazônia Atlântica".

Já a Petrobras disse que foram realizadas 47 reuniões em 22 municípios dos dois Estados, com a participação de entidades representativas da sociedade, indígenas e quilombolas, além de órgãos do governo como Ibama, Funai e ICMBio.

A companhia afirmou, ainda, que desenvolve todas as atividades de forma segura, "cumprindo todos os requisitos socioambientais", e que prestará todos os esclarecimentos ao MPF no prazo solicitado.

O processo de licenciamento do bloco FZA-M-59 foi transferido para a Petrobras em janeiro de 2021, após a transferência da concessão do bloco para a empresa.

A região foco da ação do MPF, chamada pela Petrobras de Amapá Águas Profundas, tem ecossistema sensível, abrigando um dos maiores berçários de vida marinha, segundo ambientalistas. A área, contudo, está próxima da divisa com a Guiana, onde petroleiras como a Exxon fizeram importantes descobertas de petróleo nos últimos anos.

(Por Rafaella Barros)