Mercado fechará em 1 h 42 min
  • BOVESPA

    115.751,02
    -713,04 (-0,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.033,51
    -1.020,05 (-2,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,16
    +0,55 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.843,90
    -7,00 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    30.742,44
    -1.008,25 (-3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    619,71
    -20,21 (-3,16%)
     
  • S&P500

    3.789,35
    -60,27 (-1,57%)
     
  • DOW JONES

    30.591,98
    -345,06 (-1,12%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.234,75
    -250,75 (-1,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5285
    +0,0177 (+0,27%)
     

Petrobras considera unidades de liquefação em mar para gás do pré-sal

Por Sabrina Valle
·2 minuto de leitura
.

Por Sabrina Valle

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras considera a instalação de unidades de liquefação em alto mar entre as opções para escoar a crescente produção de gás natural do pré-sal, disse a gerente de Emissões e Mudanças do Clima da empresa, Viviana Coelho, em uma webinar nesta sexta-feira.

Segundo ela, as unidades de GNL podem ser uma alternativa para o gás natural associado à produção de petróleo do pré-sal.

Não foi mencionado se um possível programa possui cronograma. Atualmente, a Petrobras depende de gasodutos para transportar gás natural de campos marítimos para a costa, onde é processado.

A falta de infraestrutura para transportar o gás natural produzido em mar é vista como uma possível limitação para o aumento da produção de petróleo no pré-sal, de acordo com a Petrobras.

Os reservatórios do pré-sal já respondem por dois terços da produção brasileira, apenas pouco mais de uma década após sua descoberta, e o percentual deve continuar crescendo. Uma pequena porção do gás é queimada nas plataformas por meio do processo de "flaring".

O Brasil possui uma legislação rígida que limita o "flaring", forma mais barata para empresas lidarem com gás natural não utilizado e fonte relevante de emissão de gases causadores do efeito estufa. A Petrobras planeja zerar a queima rotineira de gás, já baixa comparativamente com outras petroleiras, até 2030, disse Coelho na apresentação.

O processo de queima libera metano, e a Petrobras visa diminuir as emissões de gases de efeito estufa da companhia em de 30% a 50% até 2025, acrescentou ela.

A empresa utilizou 97,6% de seu gás natural em maio, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Uma porção significativa é reinjetada no solo para controlar a pressão das reservas e aumentar a produção de petróleo, disse a Petrobras. O restante é produzido ou queimado.