Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.030,92
    +89,03 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Petrobras confirma presença de petróleo na área coparticipada de Sépia

Visão aérea de uma plataforma da Petrobras na Bacia de Campos, a P-52

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras confirmou nesta segunda-feira a presença de petróleo na área coparticipada de Sépia após a perfuração de poço no extremo noroeste do campo, localizado no Rio de Janeiro.

Segundo a estatal, o intervalo portador de petróleo foi constatado por meio de perfis elétricos e amostras de fluido, que serão posteriormente caracterizadas por análises de laboratório.

A espessura efetiva da coluna de óleo é uma das maiores já registradas no Brasil, disse a Petrobras.

"O consórcio dará continuidade às operações para caracterizar as condições dos reservatórios encontrados e verificar a extensão da descoberta".

O poço está localizado a 250 km ao sul da cidade do Rio de Janeiro, a uma profundidade d’água de 2197 metros, tendo sua perfuração iniciada no final de julho deste ano.

A área coparticipada de Sépia é composta pelo bloco de Sépia, adquirido pela Petrobras (100%) em 2010, e pelo bloco Sépia do Excedente da Cessão Onerosa (ECO), adquirido em dezembro de 2021 por consórcio composto pela Petrobras (operadora), TotalEnergies, QatarEnergy e Petronas, tendo a PPSA como gestora.

(Por Letícia Fucuchima)