Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.596,41
    +876,23 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Petrobras confirma estudo sobre vale-gás e diz que decisão está com governo

·2 minuto de leitura

Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras, confirmou nesta quinta-feira que a estatal está participando do debate do vale-gás. O novo posicionamento ocorreu em uma vista de Silva e Luna ao Palácio do Planalto e mostra uma nova postura da estatal, que há três dias negou estar participando dos estudos para a criação da ação social para ajudar a população mais pobre a comprar gás de cozinha.

— Nós participamos dessa discussão junto com o governo, mas o tema está sendo conduzido pelo Ministério das Minas e Energia. A nada somos indiferentes, temos atividade e responsabilidade social dentro da empresa, mas não somos o ator principal na condução desse processo — afirmou o presidente da estatal, que ontem apresentou lucro recorde para o segundo trimestre, de R$ 42,8 bilhões.

No fim de semana, a estatal informou, via comunicado, que não possuía definições quanto à implementação e ao montante de participação em eventuais programas sociais destinados ao gás de cozinha no Brasil, depois de o presidente Jair Bolsonaro ter dito que a estatal contaria com uma reserva de R$ 3 bilhões para o pagamento de um vale-gás.

Silva e Luna não apresentou detalhes do projeto. Questionado se o governo poderia separar R$ 3 bilhões para o programa dos R$ 9 bilhões que a estatal está enviando ä União como dividendos decorrente de seu lucro no último trimestre, o presidente da estatal se esquivou:

— Esse (recurso) aí (R$ 9 bilhões) faz parte dos dividendos. O compromisso da empresa é repassar os dividendos. Agora, o acionista majoritário é o governo, que define o que fazer — afirmou ele, que completou? — O presidente tem informação junto com o Ministério das Minas e Energia e deve estar compondo com o Ministério da Fazenda (sic, referindo-se ao Ministério da Economia) uma boa função para isso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos