Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.440,19
    -1.737,36 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.751,82
    -412,19 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,41
    -1,60 (-1,98%)
     
  • OURO

    1.928,40
    -1,60 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.124,36
    +52,16 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,34
    +8,33 (+1,61%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.219,50
    +112,75 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5463
    +0,0266 (+0,48%)
     

Petrobras conclui venda do Polo Peroá à 3R Petroleum, que estreia no offshore

Logo da Petrobras na sede da empresa no Rio de Janeiro

Por Latícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras informou que concluiu nesta terça-feira a venda da totalidade de sua participação em ativos do Polo Peroá, localizado na Bacia do Espírito Santo, para uma subsidiária da 3R Petroleum.

A aquisição marca o início das operações offshore da 3R, disse a companhia, em um comunicado separado.

"O Polo Peroá representa um incremento significativo na produção de gás da 3R, fortalecendo o posicionamento da Companhia como player independente na indústria", afirmou.

Localizado na Bacia do Espírito Santo, o polo envolve os campos de produção de Peroá e Cangoá e a concessão BM-ES-21 (Plano de Avaliação de Descoberta de Malombe).

Segundo informações da 3R, o Polo Peroá registrou produção média de aproximadamente 763 mil metros cúbicos por dia de gás natural e de 225 barris por dia de óleo em 2021, totalizando aproximadamente 5.025 barris de óleo equivalente por dia.

A operação entre as empresas foi concluída com o pagamento à vista de 8,07 milhões de dólares para a Petrobras, já com os ajustes previstos no contrato. O valor recebido se soma aos 5 milhões de dólares pagos à estatal na assinatura do contrato de compra e venda.

Além desse montante, está previsto o recebimento pela Petrobras de até 42,5 milhões de dólares em pagamentos contingentes, a depender das cotações futuras do Brent e desenvolvimento dos ativos.