Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.832,62
    +2.453,70 (+2,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.870,22
    +603,02 (+1,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,79
    +1,73 (+4,02%)
     
  • OURO

    1.802,60
    -35,20 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    19.189,00
    +737,03 (+3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,98
    +11,23 (+3,04%)
     
  • S&P500

    3.634,14
    +56,55 (+1,58%)
     
  • DOW JONES

    30.028,83
    +437,56 (+1,48%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.082,25
    +177,00 (+1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3961
    -0,0442 (-0,69%)
     

Petrobras conclui venda do campo de Baúna à Karoon e recebe US$150 mi

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras concluiu nesta sexta-feira a venda da totalidade de sua participação no campo de Baúna, localizado em águas rasas na Bacia de Santos, para a Karoon Petróleo & Gás, subsidiária da Karoon Energy, informou a companhia em fato relevante.

Segundo a estatal, a operação foi concluída com o pagamento de 150 milhões de dólares pela Karoon, valor que se soma ao montante de 49,9 milhões de dólares pagos na assinatura do contrato de venda, em julho de 2019.

Haverá ainda uma parcela remanescente, estimada em cerca de 40 milhões de dólares, que será paga pela Karoon em 18 meses contados a partir desta sexta.

As partes também acordaram uma parcela contingente do preço a ser recebida pela Petrobras até 2026, no valor de 285 milhões de dólares, detalhou a petroleira.

O campo de Baúna, que iniciou operações em fevereiro de 2013, registrou produção média de aproximadamente 16 mil barris de óleo por dia e 104 mil metros diários de gás entre janeiro e setembro deste ano, de acordo com a Petrobras.

"Com essa transação, a Karoon será a operadora da concessão com 100% de participação", acrescentou a estatal, que tem apostado em desinvestimentos para diminuir dívidas e concentrar recursos em ativos de produção em águas profundas e ultra-profundas.

(Por Gabriel Araujo; Edição de Luciano Costa)