Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.187,03
    -158,67 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Petrobras avança 5% e leva Bolsa a fechar acima dos 108 mil pontos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ibovespa subiu 1,81% nesta segunda-feira (8), chegando assim aos 108.402 pontos. É a maior pontuação para um fechamento do índice de referência da Bolsa de Valores desde 7 de junho.

Parte importante da alta da Bolsa é reflexo da disparada de 5,05% das ações preferenciais da Petrobras, cujos papéis foram os mais negociados nesta sessão.

Além da manutenção do impacto positiva no mercado do recente pagamento de quase R$ 88 bilhões em dividendos, a assinatura de um contrato com uma companhia estatal boliviana para garantir o abastecimento de gás ao mercado interno animou investidores, segundo Idean Alves, sócio e chefe da mesa de operações da Ação Brasil Investimentos.

"A Petrobras celebrou um novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB ( Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos), trazendo mais previsibilidade ao fornecimento de gás ao mercado local", comentou Alves.

Também favoreceu o ganho da Petrobras a alta do petróleo no mercado internacional. O preço de referência da matéria-prima bruta tinha alta de 1,30% no início da noite, com o barril do Brent negociado a US$ 96,15 (R$ 492,68).

No mercado de ações de Nova York, o indicador S&P 500, parâmetro para a Bolsa, caiu 0,12%.

DÓLAR CAI A 5,11 E TEM MENOR COTAÇÃO DESDE JUNHO

No câmbio, dólar caiu pela terceira vez frente ao real, continuando o movimento de depreciação visto na semana passada.

Ao recuar 1,06%, o dólar comercial fechou cotado a R$ 5,1130 na venda. É o menor valor desde o encerramento do pregão de 15 de junho, quando a divisa valia R$ 5,029.

Na sexta-feira (5), o real obteve a maior valorização frente ao dólar em relação às principais moedas, além de ocupar a terceira posição entre as divisas de países emergentes que mais subiram no dia, atrás do rublo da Rússia e do baht tailandês.

O otimismo predominou no mercado financeiro brasileiro na semana passada, com investidores avaliando o comunicado do Banco Central da última quarta-feira (3), que elevou a taxa Selic para 13,75% ao ano.

Embora a autoridade monetária tenha deixado a porta aberta para um novo aumento em setembro, investidores consideraram que haverá uma pausa no aperto ao crédito nos próximos meses.

Como há a expectativa de queda da inflação, o juro real (taxa nominal descontada a inflação) tende a subir e isso atrai mais dólares para a renda fixa do país.

A alta da Selic já reforçou a posição do Brasil como líder do ranking mundial de juros reais, situação que ocupa desde a reunião de maio do comitê monetário do Banco Central, segundo levantamento do portal MoneYou e da gestora Infinity Asset Management.

O setor de commodities valorizado também favoreceu os ganhos na Bolsa de Valores brasileira. O Ibovespa, índice de referência do mercado de ações, subiu 3,21% na semana passada.

No exterior, porém, o dólar voltou a ganhar força após o governo dos Estados Unidos divulgar que a criação de vagas de trabalho em julho superou as expectativas.

A taxa de desemprego caiu para 3,5%, a mínima registrada desde antes da pandemia. Isso indicou que a economia americana não estava em recessão, apesar de duas quedas trimestrais consecutivas do PIB (Produto Interno Bruto).

Investidores voltaram a considerar, portanto, que o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) manterá um nível semelhante de aumento da sua taxa de juros das duas últimas reuniões, de 0,75 ponto percentual.

Juros mais altos aumentam a rentabilidade dos títulos do Tesouro dos EUA e valorizam o dólar.