Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.429,51
    +177,65 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5595
    +0,0539 (+0,98%)
     

Petrobras avalia energia eólica offshore como alternativa para longo prazo, diz CEO

Logo da Petrobras na sede da empresa no Rio de Janeiro

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A energia eólica offshore é uma das alternativas em estudo pela Petrobras para sua atuação no longo prazo, à medida que empresas buscam a transição energética para uma economia de baixo carbono, disse o presidente da petroleira, José Mauro Coelho, durante evento nesta quarta-feira.

"Outra oportunidade em estudo é a geração de energia eólica offshore, o Brasil tem grande potencial, isso traz sinergias importantes com a experiência, competência e liderança da Petrobras no ambiente marinho, especialmente em águas profundas e ultraprofundas", afirmou ele, na abertura do Congresso Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes.

Ao citar possibilidades de investimento em uma economia de menos emissões de carbono, ele disse que a energia eólica no mar está "em estudo para a atuação da companhia no longo prazo".

O executivo, que assumiu o cargo em abril, ainda lembrou que em 2020 a Petrobras assinou carta de intenções com a norueguesa Equinor para explorar um projeto de energia eólica no mar.

"Desde então a Petrobras está cooperando no desenvolvimento de projeto eólico offshore de Aracatu, no Bacia de Campos, com capacidade de geração de aproximadamente 4 gigawatts só neste projeto", ressaltou.

Presente no evento, o ministro de Meio Ambiente, Joaquim Leite, citou o potencial de cerca de 700 GW para energia eólica offshore no Brasil, o equivalente a "50 Itaipus", mas que ainda não deslanchou.

No início de janeiro, o governo federal editou um decreto que abriu espaço para o desenvolvimento da geração de energia eólica em alto mar no país, tecnologia bastante adotada na Europa e que entrou no radar de grandes investidores para projetos no Brasil.

Além de Equinor, a Shell e empresas como a Neoenergia têm interesse no desenvolvimento de empreendimentos offshore.

A Shell, por exemplo, já solicitou licença ambiental para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) para realizar geração de energia eólica no mar em seis Estados do Brasil.

BIOCOMBUSTÍVEIS

O CEO da Petrobras lembrou também que a companhia tem uma governança dedicada à diversificação de investimentos buscando avançar na análise de novos negócios, "contribuindo para a sustentabilidade da companhia no longo prazo".

Ele citou que a Petrobras prevê em seu plano de negócios avançar na produção de biocombustíveis "avançados".

"Será uma nova geração de combustíveis, sustentáveis e de alta qualidade, como por exemplo o diesel renovável, o diesel verde e o bioqueresene de aviação", comentou.

Entre as iniciativas está o "diesel verde" a partir do coprocessamento com o diesel, que aguarda aprovação regulatória.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos