Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.417,01
    -15,49 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Petrobras aumenta diesel apesar de reclamações de Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A Petrobras elevou o preço do diesel apenas alguns dias após o presidente Jair Bolsonaro criticar a estatal por lucros muito altos e apelar para que não reajustasse o combustível.

Depois de manter os preços estáveis desde março, a Petrobras anunciou um aumento de 8,9% no litro do diesel que vende às distribuidoras, para R$ 4,91, segundo comunicado nesta segunda-feira. O preço da gasolina ficou inalterado.

Foi o primeiro reajuste do novo presidente da empresa, José Mauro Coelho, que assumiu o comando em 14 de abril. Três dos CEOs da empresa, incluindo o antecessor de Coelho, Joaquim Silva e Luna, perderam o cargo durante períodos de aumento de preços dos combustíveis.

Em 5 de maio, Bolsonaro, que se candidata à reeleição em outubro, criticou o “lucro abusivo” da Petrobras depois que a empresa anunciou um lucro líquido robusto de R$ 44,56 bilhões no primeiro trimestre.

“Peço à Petrobras responsabilidade, não aumente o preço do diesel”, disse o presidente em discurso semanal nas redes sociais.

O impacto do aumento de preços dos combustíveis pressiona o Ministério da Economia a conceder subsídios, de acordo com uma pessoa da equipe econômica com conhecimento do assunto. Essa solução, no entanto, é vista como cara e ineficaz, disse a pessoa, pedindo anonimato porque as discussões não são públicas.

O governo já cortou impostos sobre o diesel e o etanol e o Congresso aprovou um projeto de lei para mudar a forma como os impostos estaduais são cobrados sobre combustíveis para amenizar o impacto. Outras medidas são limitadas por restrições de gastos devido à próxima eleição, disse a pessoa.

A defasagem entre os preços cobrados pelas refinarias da Petrobras e os níveis internacionais cresceu desde o aumento de preços de março à medida que o petróleo chegou a subir acima de US$ 110 por barril, tornando a importação de gasolina e diesel inviável. A diferença era de 21% para o diesel e 17% para a gasolina em 6 de maio, segundo a associação de importadores de combustíveis Abicom.

Coelho na sexta-feira disse que as preocupações de Bolsonaro com os altos preços dos combustíveis são legítimas, mas também disse que a direção da empresa tem a obrigação de manter sua política de preços.

“Em determinado momento os reajustes devem ser feitos para que a gente mantenha a saúde financeira da nossa companhia”, disse Coelho.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos