Mercado abrirá em 1 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,89
    -1,50 (-4,01%)
     
  • OURO

    1.875,00
    -4,20 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    13.086,67
    -76,72 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,96
    -13,73 (-5,04%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.576,26
    -6,54 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.183,75
    +51,00 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7097
    -0,0247 (-0,37%)
     

Petrobras aprova nova data para implementar condições no acordo com a Sete Brasil

Allan Ravagnani
·1 minuto de leitura

Em 29 de julho, o conselho da estatal aprovou o acordo com a Petros e deverá pagar R$ 950 milhões ao fundo Divulgação/Sete Brasil A Petrobras informou que sua diretoria executiva aprovou uma segunda alteração da data limite para que certas condições previstas no acordo celebrado com a Sete Brasil sejam implementadas. A eficácia do acordo e dos demais contratos correlatos dependerá do atendimento de condições que deverão ocorrer até 14 de novembro de 2020. Em 24 de junho, a companhia já havia prorrogado o prazo para 30 de setembro. Em 29 de julho, o conselho de administração da Petrobras aprovou o acordo com a Petros — fundo de pensão dos funcionários da estatal — para encerrar o litígio arbitral proposto pelo fundo com o intuito de obter ressarcimento da petroleira por alegados danos materiais relacionados ao investimento na Sete Brasil. Por causa do acordo, cujos termos são protegidos por confidencialidade, a Petrobras pagará à Petros R$ 950 milhões, valor já refletido nas demonstrações financeiras referentes ao segundo trimestre de 2020. “O acordo extingue o litígio sem reconhecimento de culpa ou responsabilidade por ambas as partes e não afeta outras ações judiciais ou arbitragens envolvendo as partes, bem como outros litígios envolvendo o investimento na Sete Brasil”, diz a Petrobras.