Mercado fechará em 4 h 34 min
  • BOVESPA

    108.058,45
    +679,53 (+0,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,86
    +0,80 (+1,86%)
     
  • OURO

    1.801,50
    -36,30 (-1,98%)
     
  • BTC-USD

    19.165,56
    +713,60 (+3,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,81
    +17,38 (+4,81%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.414,03
    +80,19 (+1,27%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.952,25
    +47,00 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0539 (-0,84%)
     

Petrobras anuncia anulação de sentença parcial de arbitragem na B3

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras <PETR4.SA> informou que uma decisão proferida pela 5ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro na noite de terça-feira anulou sentença parcial de arbitragem instaurada contra a companhia pelos fundos de pensão Petros e Previ perante a Câmara de Arbitragem do Mercado da bolsa B3.

A decisão apontou "graves falhas e impropriedades" na sentença arbitral, de acordo com a Petrobras, que comentou o tema por meio de comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta quarta-feira, sem entrar em detalhes.

"Em respeito às regras da CAM, a ação judicial tramita em segredo de justiça", explicou a companhia.

Apesar de o processo correr em sigilo, a Petrobras informou em junho ter tomado conhecimento de uma sentença parcial em arbitragem instalada pelos fundos de pensão na câmara da B3, embora tenha afirmado na ocasião que o resultado do processo não determinava pagamento de valores pela companhia.

Na ocasião, a estatal já havia informado que buscaria a anulação da sentença arbitral na Justiça.

Segundo reportagens na imprensa, publicadas pelo Valor Econômico, Petros e Previ teriam pedido no procedimento ressarcimentos à Petrobras em razão de prejuízos relacionados às descobertas da Operação Lava Jato, que há anos apura propinas envolvendo políticos e empresas estatais e privadas no Brasil.

Em comunicados ao mercado sobre a arbitragem, a Petrobras não comentou o que levou à instauração da disputa.

A estatal chegou a conseguir suspender a arbitragem da Petros e do Previ em agosto, também com decisão judicial, mas a liminar caiu logo no início de outubro, determinando a continuidade do caso.

No comunicado desta quarta-feira, a Petrobras disse que "continuará a se defender vigorosamente" em todas arbitragens em que é parte.

(Por Luciano Costa; edição Paula Arend Laier e Maria Pia Palermo)