Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.636,63
    +107,66 (+0,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,86
    -0,81 (-1,29%)
     
  • OURO

    1.793,80
    +15,40 (+0,87%)
     
  • BTC-USD

    56.063,53
    +489,73 (+0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,23
    +28,27 (+2,24%)
     
  • S&P500

    4.157,77
    +22,83 (+0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.005,27
    +183,97 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.849,75
    +55,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Petrobras adia início da produção em Mero 1 por atraso em FPSO

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras postergou a previsão de início de produção de Mero 1 para o primeiro trimestre de 2022, ante estimativa anterior para o último trimestre de 2021, após atraso nas obras do navio-plataforma que será usado na área, o FPSO Guanabara.

"O FPSO está em conversão na China e em função do cenário de pandemia da Covid-19 houve atraso nas obras da unidade, com consequente ajuste no cronograma", disse a estatal em comunicado nesta quarta-feira.

O campo de Mero pertence ao Bloco de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, licitado pelo governo brasileiro em 2013.

O FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência) que será instalado no campo terá capacidade de processamento de 180 mil barris de óleo por dia, segundo a companhia.

O bloco de Libra tem como operadora a Petrobras, com 40% de participação. Também têm participação no empreendimento a anglo-holandesa Shell (20%), a francesa Total (20%) e as chinesas CNODC (10%) e CNOOC (10%).

(Por Luciano Costa)