Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.899,25
    -2.456,69 (-4,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Petra Belas Artes não será reaberto agora, apesar de autorização do governo de SP

ISABELLA MENON
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os cinemas, os equipamentos culturais e os restaurantes de São Paulo poderão retomar timidamente suas atividades no próximo sábado, dia 24. Pelo menos até o dia 30, o estado está na fase de transição do plano de quarentena, em que as atividades não essenciais estão permitidas, mas com apenas 25% da capacidade total do público e horário reduzido a apenas das 11h às 19h. Mas nem todo mundo vai voltar, apesar da autorização. Quem passar pela rua da Consolação vai notar que o Petra Belas Artes seguirá com portões laranjas fechados. André Sturm, dono do cinema de rua, brinca que achou o anúncio de reabertura positivo, porque os restaurantes voltarão a funcionar e ele já está com saudades disso —mas o cinema mesmo ficará fechado. "Não muda nada para a gente. Tomamos a decisão de que não íamos ficar mais nesse abre e fecha. Só vamos reabrir quando tivermos uma parcela grande da população vacinada", diz ele, que definiu que, para retomar presencialmente as exibições no cinema de rua, vai aguardar até que todas as pessoas a partir de 60 anos tenham recebido a segunda dose da vacina contra o coronavírus. Sturm diz que, no ano passado, ele foi a voz que brigou pela retomada dos cinemas. "Batalhei por isso, mas nesse ano, com a pandemia crescendo de novo, eu me senti numa situação estranha, porque não consigo garantir um transporte seguro da pessoa até o cinema", afirma. Ex-secretário de Cultura de São Paulo, ele também diz acreditar que os jovens vão se sentir mais seguros na hora de frequentar lugares fechados depois que a população mais velha estiver vacinada. "Vão ficar menos com a sensação de que levar Covida pro pai, avó, tia." A partir da velocidade do calendário de vacinação em São Paulo, ele calcula que o cinema só será reaberto em junho. "Com uma parcela importante da população vacinada, a gente vai se sentir mais confortável", diz.