Mercado abrirá em 4 h 42 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,61
    +0,41 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.767,80
    +4,10 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.882,45
    +391,63 (+2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,99
    +12,26 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.406,15
    +201,47 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.535,25
    +10,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4708
    +0,0142 (+0,26%)
     

Petróleo sobe perto de $90 em NY com crescimento do PIB nos EUA

(Bloomberg) -- O petróleo saltou depois que os dados do PIB americano mostraram uma recuperação econômica no terceiro trimestre e aliviaram os temores de recessão.

Os futuros de West Texas Intermediate subiram até 2,1% em Nova York, para US$ 89,72 o barril, depois que o governo divulgou uma taxa anualizada de crescimento de 2,6%. A alta da cotação na quinta-feira segue um ganho de 3% na quarta.

A expansão da maior economia do mundo, após queda nos dois primeiros trimestres do ano, diminuiu as preocupações com a demanda.

“Esse número do PIB é sólido, realmente sólido”, disse John Kilduff, sócio fundador da Again Capital. “Muitos estavam tentando prever uma recessão e é óbvio que não estamos em uma.”

Do lado da oferta, preocupações com o abastecimento nos EUA também impulsionam os preços.

Em meio aos esforços da Europa de cortar sua dependência de embarques russos, as exportações de petróleo e derivados americanos atingiram um recorde de 11,4 milhões de barris por dia na semana passada, segundo relatório divulgado na quarta-feira. As saídas ocorrem bem quando os estoques domésticos de combustível estão em mínimas históricas para esta época do ano.

O petróleo acumulou quatro perdas mensais consecutivas devido a preocupações sobre uma desaceleração global e aperto monetário. Em outubro, os preços acumulam uma recuperação de mais de 12% após o anúncio de um grande corte de produção da Opep.

Os investidores também avaliam o impacto das próximas medidas contra a Rússia.

A UE e os EUA propuseram limitar os preços do petróleo russo, mas as autoridades americanas foram forçadas a recuar no plano, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Em vez de estrangular as receitas de petróleo do Kremlin com limite estrito, os EUA e a UE provavelmente se contentarão com um teto mais frouxo que se imaginava, e menos países aderindo.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.