Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.268,84
    +36,77 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Petróleo sobe mais de 4% com perspectiva de corte de oferta pela Opep+

Plataforma de petróleo

Por Laura Sanicola

(Reuters) - Os preços do petróleo subiram mais de 4% nesta segunda-feira, estendendo o ganho da semana passada, com os possíveis cortes de produção da Opep+ e o conflito na Líbia ajudando a compensar o dólar forte e as perspectivas ruins para o crescimento dos EUA.

A Arábia Saudita, principal produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), levantou na semana passada a possibilidade de cortes de produção, o que fontes disseram que poderia coincidir com um aumento na oferta do Irã caso este consiga um acordo nuclear com o Ocidente.

A Opep+, composta pela Opep, Rússia e produtores aliados, vai se reunir para definir a política no dia 5 de setembro.

O petróleo Brent fechou em alta de 4,10 dólares, ou 4,1%, a 105,09 dólares o barril, tendo subido 4,4% na semana passada. O petróleo bruto WTI, dos EUA, ganhou 3,95 dólares, ou 4,2%, para 97,01 dólares, após subir 2,5% na semana passada.

"Os preços do petróleo estão subindo na esperança de um corte de produção da Opep e seus aliados para restaurar o equilíbrio do mercado em resposta ao renascimento do acordo nuclear do Irã", disse Sugandha Sachdeva, vice-presidente de pesquisa de commodities da Religare Broking.

(Reportagem de Laura Sanicola, com reportagem adicional de Alex Lawler, Mohi Narayan em Nova Deli e Sonali Paul em Melbourne)