Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    30.080,98
    +613,26 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Petróleo salta com queda de estoques de combustível nos EUA

(Bloomberg) -- O petróleo disparou após um relatório do governo americano mostrar forte contração dos estoques de combustível antes da temporada de viagens de verão no hemisfério norte.

Os contratos futuros de West Texas Intermediate, o petróleo de referência dos EUA, chegaram a subir mais de US$ 6, para acima de US$ 106 por barril. As infecções de Covid em Xangai e Pequim caíram na terça-feira, também trazendo otimismo cauteloso para o mercado.

Nos EUA, a Energy Information Administration informou que os estoques de diesel caíram para o menor nível desde maio de 2005, enquanto o fornecimento de gasolina no porto de Nova York caiu para o menor nível desde 2017.

Os preços de gasolina e diesel nos postos do país atingiram recorde pouco antes do início da temporada de viagens de carro. A demanda por ambos os produtos no mercado doméstico caiu na semana passada, mas os estoques diminuem porque as refinarias enviam mais combustível para o exterior para substituir suprimentos russos.

Muitas refinarias foram forçadas a encerrar operações durante a pandemia quando a demanda por combustível evaporou. Com muito menos capacidade de produção de combustível nos EUA e em todo o mundo, será difícil atender à demanda de produtos refinados, disse Quinn Kiley, gerente de portfólio da Tortoise, que administra cerca de US$ 8 bilhões em ativos relacionados à energia.

O mercado de petróleo sofre um sobe e desce de preços por conta das restrições de Covid-19 na China e da invasão da Ucrânia pela Rússia. A guerra alimenta a inflação, elevando o custo de tudo, desde alimentos a combustíveis. Nos EUA, os preços ao consumidor subiram mais do que o esperado, indicando que a inflação persistirá em patamares elevados por mais tempo.

O petróleo passa por um de seus períodos mais tumultuados de todos os tempos, com a guerra na Ucrânia e as sanções que se seguiram contra a Rússia empurrando a volatilidade para níveis históricos.

O mercado de petróleo não tem sido “consistente nos últimos tempos”, disse Rebecca Babin, trader sênior de energia da CIBC Private Wealth Management. “Negociar petróleo agora é como tentar descobrir as mudanças de humor de um adolescente.”

Os traders continuam a monitorar os esforços da UE para chegar a um acordo sobre sanções às importações de petróleo russo. Na quarta-feira, a Hungria disse que só vai concordar se os embarques por dutos forem excluídos.

Xangai relatou uma queda de 51% nas novas infecções por coronavírus na terça-feira, com zero casos encontrados na comunidade - uma métrica importante para a cidade encerrar um bloqueio rígido que prejudicou as cadeias de suprimentos globais e deixou dezenas de milhões de pessoas presas em suas casas por cerca de seis semanas.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos