Mercado abrirá em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    107.378,92
    +1.336,45 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,61
    +0,55 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.824,80
    -13,00 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    18.304,15
    -28,36 (-0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    366,99
    +5,56 (+1,54%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.517,05
    +30,85 (+0,12%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.963,75
    +58,50 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4495
    +0,0092 (+0,14%)
     

Petróleo recupera parte das perdas e opera em alta de mais de 2%

Rafael Vazquez
·1 minuto de leitura

Contratos futuros voltam ao patamar de US$ 40 após tombo de quase 4% na véspera Depois da queda de quase 4% ontem, o petróleo recupera parcialmente as perdas na sessão desta quinta-feira, enquanto os investidores globais assumem cada vez mais uma postura de espera antes das eleições dos EUA, no dia 3 de novembro. Por volta de 12h30, os preços dos contratos futuros para dezembro do Brent, a referência global, subiam 2,25%, a US$ 42,67 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os contratos para o mesmo mês do WTI, a referência americana, avançavam 2,10%, a US$ 40,87 o barril, retomando o nível dos US$ 40. “Os preços do petróleo caíram devido a preocupações com as condições de mercado. O ressurgimento da pandemia na Europa e o retorno um tanto surpreendentemente rápido das exportações da Líbia provavelmente estão desacelerando o processo de normalização. Dito isso, a produção continua restrita, o estoque está visivelmente diminuindo e a demanda está se recuperando globalmente. Reduzimos nossas previsões ligeiramente para refletir que o mercado está fazendo uma pausa temporária no caminho de volta ao normal”, afirmou em nota o chefe de pesquisa econômica do Julius Baer, Norbert Rücker. “Os mercados financeiros parecem estar em alerta, com as eleições nos Estados Unidos se aproximando e a pandemia tomando conta da Europa em uma segunda onda”, acrescentou Rücker. David Mark por Pixabay