Mercado fechará em 1 h 33 min
  • BOVESPA

    113.065,07
    +2.139,47 (+1,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.511,17
    +53,62 (+0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,24
    +0,02 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.810,70
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    16.970,87
    +8,93 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,89
    +1,46 (+0,36%)
     
  • S&P500

    4.058,93
    -17,64 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    34.329,23
    -65,78 (-0,19%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.972,00
    -90,75 (-0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4855
    +0,0201 (+0,37%)
     

Petróleo recua com foco na produção dos EUA e dúvida sobre demanda chinesa

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta segunda-feira devido às expectativas de que a produção dos EUA poderia aumentar e à medida que os dados econômicos mais fracos da China e as crescentes restrições à Covid do país pesavam sobre a demanda.

Os contratos futuros do Brent caíram 0,94 dólar, ou 0,98%, para 94,83 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI) recuou 1,37 dólar, para 86,53 dólares por barril, uma perda de 1,6%.

Apesar da queda na sessão, ambos os benchmarks registraram seus primeiros ganhos mensais desde maio.

A produção de petróleo nos Estados Unidos subiu para quase 12 milhões de barris por dia em agosto, a maior desde o início da pandemia de Covid, mostraram dados mensais do governo. [L1N31W1JU]

O presidente dos EUA, Joe Biden, deve pedir às empresas de petróleo e gás que invistam alguns de seus lucros recordes na redução de custos para as famílias americanas, disse um funcionário da Casa Branca.

Enquanto isso, a atividade fabril na China, o maior importador de petróleo do mundo, caiu inesperadamente em outubro, mostrou uma pesquisa oficial nesta segunda-feira, pressionada pela diminuição da demanda global e restrições rígidas à Covid que atingiram a produção.

As cidades chinesas estão intensificando as restrições de COVID-zero à medida que os surtos aumentam, diminuindo as esperanças de uma recuperação na demanda.

(Reportagem de Noah Browning; com reportagem adicional de Florence Tan e Emily Chow)