Mercado fechado

Petróleo oscila após prorrogação nos cortes da Opep+ e altas acentuadas

Rafael Vazquez

Commodity perde força na sessão depois de avanço de quase 12% na semana passada O petróleo oscila na manhã desta segunda-feira. Os preços iniciaram o dia em alta depois que a Organização dos Países Produtores de Petróleo e aliados (Opep+) acertou tranquilamente, durante o fim de semana, a prorrogação por mais um mês dos cortes vigentes na produção. Contudo, a commodity perde força na sessão depois da alta de quase 12% na semana passada.

Por volta de 9h20, os preços dos contratos para agosto do Brent, referência global, caíam 0,19%, a US$ 42,22 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços para julho do WTI recuavam 0,88%, a US$ 39,20 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Arábia Saudita diz que encerrará corte voluntário de produção de petróleo em julho

Segundo avaliação do HSBC, mesmo que a Opep+ tenha anunciado a extensão dos cortes, ainda está por confirmar se os países produtores vão cumprir. O banco diz que agora há pressão não apenas para melhorar o cumprimento de países como o Iraque, mas também para compensar o excesso de oferta de maio e junho com cortes extras entre julho e setembro.

"Estimamos que o mercado estava sobrecarregado em 23 milhões de barris por dia em abril, mas há um massivo reequilíbrio em curso", diz o banco em nota. O HSBC vê o mercado quase de volta ao equilíbrio em junho, entrando em déficit em julho. "Não vemos que seja necessário manter o acordo da Opep+ até ao final do ano", diz o banco.

Susana Gonzalez/Bloomberg