Mercado fechará em 5 h 38 min

Petróleo fecha em forte queda após fala de Trump sobre ataques do Irã

André Mizutani

O contrato do petróleo Brent para março fechou em queda de 4,14%, a US$ 65,44 por barril, e o do WTI para fevereiro recuou 4,92%, a US$ 59,61 O petróleo fechou em forte queda nesta quarta-feira (8), pressionado por uma perspectiva mais fraca de escalada das tensões geopolíticas no Oriente Médio. O contrato do petróleo Brent para março fechou em queda de 4,14%, a US$ 65,44 por barril, na ICE, em Londres, enquanto o do WTI para fevereiro recuou 4,92%, a US$ 59,61 por barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Ambas as referências do petróleo já devolviam parte dos ganhos desde a manhã desta quarta, mas ampliaram as perdas depois do pronunciamento do presidente americano, Donald Trump, que disse que o Irã parece não querer mais um acirramento das tensões. Com as perdas de hoje, tanto o WTI quanto o Brent mais do que devolvem todos os ganhos acumulados em 2020.

Mercado vê Trump mais aberto à comunidade internacional

Tom de Trump alivia mercados e Ibovespa encerra em baixa

Juros futuros recuam com inflação e fala de Trump no foco

"A situação no Irã continua fluida, mas, baseado no que sabemos hoje, um cenário de interrupção real da oferta de petróleo parece improvável", disseram analistas da Raymond James, em nota.

Mais cedo, autoridades da Opep disseram que o cartel ainda não está discutindo nenhuma ação em resposta às tensões no Oriente Médio e acredita que uma interrupção da oferta é improvável. O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, também ajudou a acalmar os mercados ao escrever, no seu perfil do Twitter, que o país "não busca uma escalada ou iniciar uma guerra, mas nos defenderemos de qualquer agressão".

Os investidores também avaliam os dados oficiais de estoques de petróleo nos EUA, divulgados nesta quarta pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Segundo o levantamento do DoE, os estoques americanos de petróleo subiram o equivalente a 1,164 milhão de barris, na semana encerrada no dia 3 de janeiro, para 431,06 milhões. A expectativa de consenso, em levantamento do "Wall Street Journal" junto a analistas, era de queda de 3,2 milhões de barris, no período.