Mercado fechado

Petróleo estende fortes perdas com receios sobre excesso de oferta

André Mizutani
·2 minuto de leitura

Temores agora são de uma disparada da produção no Golfo do México, após a passagem do furacão Delta Os contratos futuros do petróleo operam em queda acentuada nesta quinta-feira, estendendo ainda mais as fortes perdas da semana, pressionados por temores de uma disparada da produção no Golfo do México, após a passagem do furacão Delta. Por volta de 10h25, o contrato do petróleo Brent para dezembro operava em queda de 5,62%, a US$ 36,92 por barril na ICE, em Londres, enquanto o do WTI para o mesmo mês recuava 5,94%, a US$ 35,17 por barril na Bolsa de Mercadorias de Nova York. Na semana, ambas as referências do petróleo acumulam perdas de mais de 9,5%. Os investidores seguem atentos à aproximação do furacão Zeta, mas o que causa o maior impacto no mercado de energia hoje foi o último furacão a passar pelo Golfo do México, o Delta. Dados divulgados na tarde de ontem indicam que a produção da região caiu a 9,9 milhões de barris diários devido à passagem desse furacão, mas subiu em 1,2 milhão na semana passada, chegando à máxima de três meses de 11,1 milhões. Analistas apontam que companhias como a Shell e a Chevron não apenas retomaram a produção normal após a passagem do furacão, mas ampliaram ainda mais a produção para cumprir obrigações contratuais. Susana Gonzalez/Bloomberg Os preços do petróleo também são prejudicados pelos dados divulgados ontem pelo Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês), que reportou que os estoques americanos da commodity subiram em 4,32 milhões de barris na semana passada, ficando bem acima da expectativa dos analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de alta de 800 mil barris no período. Além dos receios com os fundamentos do mercado de energia, os contratos do petróleo são pressionados também pela valorização do dólar, que torna a commodity menos atraente para os investidores em moeda estrangeira. Por volta de 10h35, o índice dólar DXY, da ICE, operava em alta de 0,35%, a 93,73 pontos.