Petróleo encerra estável com dados de estoques e dólar

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam praticamente estáveis nesta quarta-feira, impulsionados pelo relatório semanal de estoques, mas pressionados pela alta do dólar.

O contrato de petróleo mais negociado, para março, caiu US$ 0,02 (0,02%), finalizando a US$ 96,62 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o barril do petróleo do tipo Brent para março teve alta de US$ 0,21 (0,18%), para US$ 116,73.

O Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês) informou mais cedo que os estoques de petróleo bruto tiveram um crescimento de 2,623 milhões de barris na semana até 1º de fevereiro, para 371,685 milhões de barris. Analistas esperavam alta de 2,9 milhões de barris.

Os estoques de gasolina tiveram um crescimento de 1,738 milhão de barris, ante estimativa de alta de 900 mil barris. Os estoques de destilados registraram redução de 1,042 milhão de barris, quando a projeção era de queda de 600 mil barris.

Enquanto isso, os estoques em Cushing (Oklahoma), ponto de entrega física do petróleo negociado na Nymex, tiveram uma redução de 315 mil barris, um sinal de que o nó que impedia o transporte da commodity de lá para as refinarias da Costa do Golfo do México está se dissipando.

Outro fator positivo para o petróleo foram as novas sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irã. As novas sanções anunciadas pelo Departamento do Tesouro devem restringir a capacidade do Banco Central do Irã e de outros bancos iranianos de usar a receita obtida com exportações de petróleo, assim como de repatriar esses recursos. Também foram anunciadas sanções contra a Autoridade Reguladora de Comunicações do Irã, a Rádio e Televisão Nacional Iraniana, a Iran Electronics Industries e 37 navios petroleiros de várias nacionalidades.

Em Teerã, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, disse que "este é o anel mais recente na corrente de ações hostis contra o Irã". "Estamos buscando métodos para neutralizar essas novas pressões", afirmou.

Mas o petróleo foi pressionado pela alta do dólar. Como é denominada na moeda norte-americana, a commodity se torna mais cara para compradores que usam outras divisas quando o dólar se fortalece. "É um cenário geral de aversão ao risco. O dólar subiu e os ativos mais arriscados caíram", comenta Bob Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho. As informações são da Dow Jones.

Carregando...