Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.128,75
    -4.644,54 (-8,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Petróleo e temor inflacionário podem abalar outros mercados

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O avanço dos preços do petróleo pode causar um impacto mais amplo em várias classes de ativos caso investidores, preocupados com a inflação, acreditem que a oferta ficará ainda mais apertada depois do fracasso da Opep+ em chegar a um acordo para aumentar a produção.

Com o surpreendente colapso das negociações, condições mais apertadas da oferta de petróleo e pressão de alta sobre os preços - pelo menos no curto prazo - aumentam o temor inflacionário que desafia bancos centrais e traz turbulência aos ativos de risco. Os futuros do petróleo tipo Brent ultrapassaram US$ 77 pela primeira vez desde 2018 nesta semana, o que elevou as ações globais de energia.

“O rali do petróleo encapsula nitidamente a narrativa mais ampla de reflação”, disse Ilya Spivak, responsável por Grande Ásia no DailyFX. A valorização mais forte das cotações poderia aumentar o senso de urgência do Federal Reserve para apertar a política monetária, levando a uma ampla reversão do apetite por risco que puxaria para baixo ações, petróleo e outros ativos sensíveis à percepção do mercado, disse.

Depois de vários dias de conversas tensas, a Opep e aliados abandonaram a reunião de segunda-feira. Um desacordo sobre como medir os cortes de produção encerrou um pacto provisório para aumentar a produção e rapidamente se transformou em uma disputa pessoal e pública atípica entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Ainda assim, a reação relativamente modesta em outros mercados até agora sugere que investidores também estão cautelosos sobre as implicações de longo prazo da crise na Opep+. Se os Emirados Árabes Unidos deixarem o cartel, existe risco de os produtores aumentarem a oferta, o que pode acabar por derrubar as cotações do petróleo.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos