Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,94
    +0,24 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.729,50
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    60.570,21
    +182,96 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.293,73
    -0,85 (-0,07%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.727,53
    +274,25 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.807,50
    +268,77 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    13.792,25
    -16,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Petróleo cai com reabertura de Suez e rali do dólar; reunião da Opep+ está no radar

Devika Krishna Kumar
·1 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo no condado de Dewitt, Texas (EUA)

Por Devika Krishna Kumar

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram nesta terça-feira, pressionados pela reabertura do Canal de Suez para o tráfego de navios e por um rali do dólar.

As atenções do mercado, enquanto isso, passaram a se voltar para a reunião ministerial da Opep+, na qual analistas esperam que o grupo concorde em prorrogar seus atuais cortes de produção, dadas as perspectivas fracas de demanda.

O petróleo Brent fechou em queda de 0,84 dólar, ou 1,3%, a 64,14 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 1,01 dólar, ou 1,6%, para 60,55 dólares o barril.

Navios voltaram a trafegar pelo Canal de Suez um dia após o desencalhe do porta-contêineres Ever Given, que bloqueou a passagem por quase uma semana. O congestionamento de 422 embarcações pode ser liberado em três dias e meio, segundo o presidente do canal.

"Os ganhos que se acumularam durante o bloqueio de Suez tiveram vida curta, como esperado, e agora estão sendo devolvidos com o retorno gradual do tráfego normal", disse Louise Dickson, analista de mercados de petróleo da Rystad Energy.

O dólar, por sua vez, avançou frente a importantes moedas, atingindo uma máxima de um ano em relação ao iene. Isso também afetou as cotações do petróleo, já que a valorização da divisa norte-americana torna a commodity mais cara para detentores de outras moedas.

Em meio à diminuição das preocupações com uma escassez de ofertas físicas, o mercado se prepara para acompanhar de perto a reunião de quinta-feira entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, que formam o grupo conhecido como Opep+.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar, em Londres, e Aaron Sheldrick, em Tóquio)