Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.583,44
    +2.207,12 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Petróleo cai, apesar de restrição de oferta da OPEP+

·2 min de leitura

Em reunião por videoconferência, membros da OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) decidiram por não alterar os planos de expansão de fornecimento de petróleo.

A decisão do grupo foi de reiterar os planos de aumentar a produção nos meses seguintes em 400 mil barris por dia.

Desde julho deste ano, o acordo dos membros prevê o aumento da produção da commodity nessa mesma quantidade mês a mês, até pelo menos abril de 2022.

Esse aumento é insuficiente para a retomada do nível de produção anterior à crise da pandemia da Covid-19, quando o cartel decidiu por realizar uma forte restrição na oferta.

Em abril de 2020, com a forte queda da demanda, a OPEP+ decidiu por fazer um grande corte na produção, na faixa de 10 milhões de barris por dia.

Pressão dos EUA para aumento da oferta

A decisão por manter o lento ritmo de ajuste de oferta ocorre mesmo com a pressão das nações consumidoras, como EUA, China, Japão e União Europeia.

A manutenção da restrição de oferta contribui para a inflação dos países, devido ao encarecimento da energia, e o risco de desaceleração do crescimento econômico global.

De acordo com a Bloomberg, os EUA pediram à OPEP + para aumentar a produção em dezembro entre 600 e 800 mil barris por dia, entre 50% e 100% acima do aumento planejado. 

Reversão nos preços

Apesar da oferta seguir restringida, o petróleo caiu nos últimos dias. O Brent caiu mais de 4% desde o seu pico, em 17 de outubro. Já o WTI retraiu cerca de 5,4% no mesmo período.

A preocupação do mercado é que uma provável desaceleração global possa arrefecer a demanda.

Os riscos econômicos ficam mais claros à medida que o Fed começa a reduzir seu programa de compra de títulos.

Outro motivo para a reversão dos preços surgiu quando o American Petroleum Institute (API) relatou um aumento de estoque de petróleo bruto de 3,594 milhões de barris. O valor é o dobre das previsões dos analistas, que esperavam um estoque de 1,567 milhões de barris.

Com isso, os fundos de hedge acenderam o sinal de alerta e começaram a pisar no freio em sua onda de compra de petróleo, conforme mostrou o último relatório do Commitment of Traders (COT) da US Commodity Futures Trading Commission.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos