Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.245,14
    -237,73 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Petróleo cai 3% com bloqueios na China alimentando temores sobre demanda

Por Ahmad Ghaddar

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo caíam 3% nesta quinta-feira, com as novas medidas de bloqueio contra Covid-19 na China aumentando as preocupações de que a alta inflação e os avanços das taxas de juros estão prejudicando a demanda por combustível.

Os futuros de do petróleo Brent baixavam 3,12 dólares, ou 3,26%, para 92,52 dólares por barril às 13:31 (horário de Brasília). Os futuros de petróleo bruto WTI, dos EUA, perdiam 2,82 dólares, ou 3,15%, para 86,73 dólares por barril.

"A demanda por petróleo do mundo ocidental, assim como a da China, está estagnada, enquanto a oferta está se expandindo de forma incremental, em grande parte devido ao boom do xisto dos EUA”, disse Norbert Rucker, analista da Julius Baer.

A atividade fabril da Ásia caiu em agosto, com as restrições por "Covid zero" e as pressões de custo da China que continuaram prejudicando os negócios, mostraram pesquisas nesta quinta-feira, afetando as perspectivas para a frágil recuperação da região.

O principal índice de ações europeu caiu para mínimas de sete semanas, com o aumento das preocupações sobre aumentos agressivos de juros para combater a inflação recorde.

(Reportagem de Ahmad Ghaddar em Londres e Yuka Obayashi em Tóquio)