Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.018,75
    -1.737,79 (-2,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Petróleo Brent supera US$ 80 em meio à crise global de energia

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O barril de petróleo Brent foi negociado acima de US$ 80 o barril, em mais uma evidência da crise global de energia e sinais de que a demanda supera a oferta e esgota os estoques.

Most Read from Bloomberg

A cotação de referência internacional ampliou o recente período de ganhos e atingiu o maior nível desde outubro de 2018. O barril de petróleo West Texas Intermediate também subiu.

O rali do petróleo é acompanhado por uma série de previsões altistas para os preços de bancos e operadores, projeções de aumento da demanda no inverno do hemisfério norte e sinais de que o setor não está investindo o suficiente para garantir a oferta. O salto para US$ 80 aumenta a pressão inflacionária sobre a economia global quando os preços das commodities de energia disparam. O gás natural europeu, as licenças de carbono e a eletricidade alcançaram novas máximas na terça-feira, com poucos sinais de desaceleração do rali.

O petróleo tem se recuperado do colapso dos preços no ano passado em meio aos cortes recordes na produção da Opep+ e recuperação econômica global que impulsionou a demanda. Embora a Opep+ agora esteja desacelerando os cortes, algumas tradings e analistas têm dúvidas sobre o quão rápido a coalizão pode repor os barris retirados do mercado. O Goldman Sachs diz que as cotações podem chegar a US$ 90 este ano com a contínua queda dos estoques.

“Os mercados de petróleo estão se acelerando à medida que o persistente déficit de oferta reduz os estoques para o nível mais baixo em décadas”, disse Amarpreet Singh, analista do Barclays.

Grande parte do cenário para o resto do ano deve depender da intensidade do inverno no hemisfério norte. Analistas e consultores publicaram uma série de estimativas de quanto a demanda poderia ser impulsionada pelo aumento dos custos do gás e baixas temperaturas, oscilando de algumas centenas de milhares de barris por dia a 2 milhões.

O petróleo também mostra recuperação apesar do combustível de aviação - um componente-chave da demanda - permanecer afetado pela pandemia. No entanto, outros segmentos de consumo mostram forte alta, como combustíveis usados para fabricar plástico e aqueles usados em processos de manufatura, como o diesel. O consumo global de petróleo deve voltar aos níveis pré-pandemia no terceiro trimestre de 2022, disse o presidente da BP Singapore, Eugene Leong, disse em entrevista.

Com os preços agora em US$ 80 o barril, os valores futuros também sobem. O WTI para entrega em 2022 é negociado perto de US$ 71 o barril. Os ganhos dos preços futuros, em teoria, tornam mais atraente para produtores nos EUA fixarem os volumes de produção, mas o crescimento tem sido limitado este ano, uma vez que investidores pressionam por retornos aos acionistas em vez de oferta mais elevada.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos