Mercado abrirá em 7 h 36 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,61
    -0,35 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.774,40
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    63.967,89
    +1.267,13 (+2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,92
    +17,56 (+1,20%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.125,96
    +338,75 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.329,65
    +114,13 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    15.384,50
    -14,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5157
    +0,0195 (+0,30%)
     

Petróleo Brent recua após tocar US$80 o barril, máxima desde outubro de 2018

·1 minuto de leitura
Unidade petrolifera a Midland

Por Rod Nickel

(Reuters) - O petróleo Brent recuou nesta terça-feira após atingir 80 dólares por barril pela primeira vez em quase três anos, quando uma forte alta de cinco dias perdeu força, com investidores realizando lucros

Os preços de referência do petróleo recuaram, com a demanda por combustível crescendo e os comerciantes esperando que os principais países produtores de petróleo decidam manter a oferta apertada quando a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se reunir na próxima semana.

O Brent recuou 0,44 dólar, ou 0,6%, para 79,09 dólares o barril, após atingir a máxima desde outubro de 2018 em 80,75 dólares.

O petróleo dos EUA (WTI) recuou 0,16 dólar, ou 0,2%, para 75,29 dólares o barril, após atingir a máxima da sessão em 76,67 dólares, também uma máxima desde julho.

"Você provavelmente tem uma boa quantidade de realização de lucros, porque tivemos uma alta extraordinária nos preços", disse Andrew Lipow, presidente da consultoria Lipow Oil Associates, com sede em Houston. "Podemos ter um pouco de descanso aqui, enquanto o mercado avalia quais são as dinâmicas de oferta e demanda."

O mercado também enfrenta ventos contrários com a crise de energia na China, o maior consumidor de energia do mundo.

"O recente racionamento de energia para as indústrias na China para reduzir as emissões pode pesar sobre a atividade econômica, potencialmente compensando o vento a favor do uso incremental de diesel na geração de energia", disse o banco de investimentos Barclays.

(Reportagem de Rod Nickel em Winnipeg, Ahmad Ghaddar em Londres e Yuka Obayashi em Tóquio)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos