Mercado abrirá em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,99
    +0,79 (+1,01%)
     
  • OURO

    1.769,50
    +5,80 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    16.903,25
    +459,44 (+2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,75
    +13,03 (+3,35%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.552,76
    +40,76 (+0,54%)
     
  • HANG SENG

    18.629,73
    +425,05 (+2,33%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.551,75
    +27,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4703
    +0,0137 (+0,25%)
     

Petróleo afunda mais com notícia que Opep aumentaria produção

(Bloomberg) -- O tombo do petróleo se estendeu com notícias de que a Arábia Saudita e outros países da Opep estariam dispostos a aumentar produção, enquanto a China aperta suas restrições contra Covid.

O barril de Brent chegou a despencar 5.5% para menos de US$ 83 pela primeira vez desde janeiro, após o Wall Street Journal dizer que a Opep+ estaria considerando um aumento de produção de 500.000 barris por dia antes do embargo da União Europeia ao petróleo russo.

Se confirmado, o aumento de produção coincidiria com uma virada no humor do mercado. Os barris físicos estão em queda e a ponta curta da curva de futuros em Nova York entrou em contango: O contrato mais próximo é negociado com desconto em relação ao mês seguinte em um sinal de demanda fraca.

A China teve suas primeiras mortes relacionadas a Covid em quase seis meses no fim de semana, e uma cidade de 11 milhões de habitantes perto de Pequim pediu aos residentes que fiquem em casa em meio a um surto, gerando temores de uma nova onda de restrições no maior importador de petróleo do mundo.

O Goldman Sachs rebaixado sua previsão do quarto trimestre para o Brent em US$ 10 para US$ 100 o barril, em parte pela possibilidade de novas medidas antivírus na China.

“Novas restrições de mobilidade na China, juntamente com altas exportações de petróleo russo” estão empurrando os preços para baixo, disse Giovanni Staunovo, analista de commodities do UBS. Mas, por enquanto, os cortes em vigor na produção da Opep e a demanda sólida nos EUA antes das viagens durante o feriado de Ação de Graças na quinta-feira podem ajudar a moderar a queda de preços, disse.

--Com a colaboração de Ilena Peng.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.