Mercado abrirá em 17 mins
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,79
    -0,70 (-0,63%)
     
  • OURO

    1.804,60
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    30.031,88
    -263,33 (-0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    674,46
    -6,64 (-0,98%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.423,56
    +5,41 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.375,75
    -7,00 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2960
    +0,0369 (+0,70%)
     

Petróleo afunda abaixo de US$ 96 com piora de Covid na China

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O petróleo começou a semana em queda devido a preocupações de que um surto de Covid-19 na China atinja ainda mais o consumo.

Os futuros de West Texas Intermediate chegaram a cair mais de 6%, para abaixo de $96 por barril, em meio a uma liquidação de ações e de outras commodities. O aumento dos casos de coronavírus em Pequim provocou nervosismo sobre um cenário sem precedentes de confinamento na capital, enquanto Xangai registrou mortes diárias recordes no fim de semana.

O maior país importador de petróleo do mundo caminha para o pior choque de demanda de petróleo desde os primeiros dias da pandemia.

As dificuldades da China com o vírus adicionam outra fonte de volatilidade a um mercado de petróleo que já era atingido pela invasão da Ucrânia pela Rússia. A guerra alimentou a inflação e a União Europeia discute medidas para restringir importações de petróleo da Rússia.

A China implementou bloqueios em várias cidades na busca pelo Covid Zero. Moradores de um distrito de Pequim foram instruídos a se submeterem a três dias de testes a partir de segunda-feira, em uma tentativa de conter os casos.

À medida que os riscos para o consumo aumentam, as apostas de gestores em alta do WTI caíram pra o nível mais baixo desde abril de 2020, quando os preços ficaram negativos.

“A grande história do petróleo continua sendo a China”, disse Keshav Lohiya, fundador da consultora Oilytics. “O impacto na demanda doméstica será significativo se Pequim seguir os passos de Xangai.”

O mercado se prepara para oferta adicional, o que aumenta os sinais de baixa. Espera-se que a Líbia retome a produção de campos fechados nos próximos dias, enquanto o terminal de petróleo CPC na costa do Mar Negro da Rússia retomou as operações regulares após reparos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos