Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.982,53
    -74,69 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Petróleo afunda abaixo de US$ 80 com sinais de excesso de oferta

(Bloomberg) -- O petróleo chega ao final de uma semana de forte queda com um tombo para menos de US$ 80 o barril em Nova York, em meio a sinais de excesso de oferta.

O recuo ficou evidente em vários segmentos do mercado. Pela primeira vez este ano, o contrato mais próximo foi negociado com desconto em relação ao mês seguinte, um sinal de excesso de oferta conhecido como contango. O mercado físico também se deteriorou, com demanda fraca por embarques para o inverno que se aproxima no hemisfério norte.

Os contratos futuros são negociados no nível mais baixo desde setembro em meio ao aumento de casos de Covid na China e ao aperto monetário agressivo dos bancos centrais.

O West Texas Intermediate caiu até 5,4% na sexta-feira, para US$ 77,24 o barril, com queda de mais de 10% na semana.

O petróleo também é negociado abaixo de várias médias móveis importantes, provocando as chamadas vendas técnicas, em um cenário de posições compradas elevadas que empurram os preços para baixo quando desfeitas.

“Há muita confusão neste mercado agora,” disse Amrita Sen, analista-chefe de petróleo da Energy Aspects, em entrevista à Bloomberg TV.

Os casos de coronavírus na China subiram para perto do nível mais alto de toda a pandemia, e as autoridades sinalizam que estão se preparando para ainda mais infecções. Os aumentos provavelmente serão um teste para qualquer afrouxamento das regras da Covid no país.

A China é o maior consumidor de petróleo e derivados depois dos EUA.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.