Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.497,14
    +398,65 (+0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Peste suína africana volta a ameaçar criadores de porcos

·3 minuto de leitura
Porcos em uma granja orgânica em Dortmund, na Alemanha, em 3 de fevereiro de 2020

Ela acaba de reaparecer no continente americano, após quase 40 anos de ausência, e foi recentemente detectada em porcos domésticos na Alemanha. A peste suína africana afeta muitos países, causando abates de animais em massa e perdas econômicas consideráveis.

No final de julho, foram registrados casos na República Dominicana, os primeiros em "cerca de 40 anos", segundo a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), que pediu uma "ação urgente" para impedir a propagação desta doença viral.

- Sem risco para humanos -

Historicamente presente na África Subsaariana, a doença, denominada Febre Suína Africana (AFF), ou Peste Suína Africana (PSA), não representa risco para seres humanos. Muito contagiosa, afeta apenas suínos.

Febre alta, perda de apetite e sangramento cutâneo estão entre os sintomas. A taxa de mortalidade pode chegar a 100%, afirma a OIE.

Nenhuma vacina, ou tratamento, mostrou-se eficaz até o momento.

O vírus está presente em todos os fluidos corporais e é muito resistente. É transmitido de um animal para o outro pelo contato direto entre eles, por movimentos em veículos, por pessoas procedentes de áreas infectadas e também por meio de alimentos - por exemplo, se porcos domésticos forem alimentados com resíduos contaminados.

- Expansão -

"Devido à sua complexa epidemiologia, a doença se espalhou muito rápido, recentemente, afetando mais de 50 países da África, da Europa e da Ásia desde 2018", lembra a OIE.

Entre eles, estão China, Índia, Vietnã, Indonésia, Rússia, Itália (Sardenha) e, mais recentemente, a Alemanha, maior produtor de suínos da Europa.

Segundo e terceiro produtores europeus, Espanha e França saíram ilesos até o momento. Estes países já enfrentaram a doença no passado, depois de casos que surgiram na Península Ibérica desde 1957.

Em 2018-2019, a peste suína africana dizimou os porcos chineses, interrompendo o abastecimento deste mercado. Trata-se do primeiro do mundo para consumo, assim como para produção de carne de porco.

Desde então, o país reconstruiu praticamente todo seu rebanho em grande velocidade e a um custo altíssimo.

- Prejudicial aos criadores -

O vírus pode ter repercussões severas para os produtores. Quando uma fazenda é contaminada, todos os animais são sacrificados.

Em nível nacional, o país perde seu status fitossanitário. Isso implica a limitação, ou mesmo a proibição, não apenas dos suínos vivos, mas também dos alimentos produzidos com carne de porco.

Um país como a Alemanha depende muito das vendas externas. A perda desse mercado gera excedentes e derruba os preços.

Em geral, os estados negociam acordos de "regionalização", para que as regiões não afetadas possam continuar a exportar.

- Meios de prevenção -

Em países livres da doença, a vigilância da importação deve ser feita para garantir que suínos infectados, ou produtos à base deste animal, não sejam introduzidos em seus territórios.

A prevenção também passa pela correta eliminação dos resíduos alimentares recolhidos em aviões, navios, ou veículos de países infectados, sublinha a OIE.

Além disso, os criadouros devem manter as medidas de "biossegurança", especialmente no que se refere à entrada de animais, alimentos, insumos e visitantes.

myl/ico/clp/mar/mb/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos