Mercado abrirá em 6 h 39 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,44
    -0,53 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.751,00
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    45.654,22
    -2.288,47 (-4,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.140,20
    -85,33 (-6,96%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.113,84
    -806,92 (-3,24%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.227,75
    -98,25 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1890
    -0,0104 (-0,17%)
     

Pessoas traumatizadas na infância são mais propensas a viciar em morfina

·2 minuto de leitura

Pessoas que tiveram traumas na infância são mais propensas a viciar em morfina. Essa é a afirmação de um estudo da Universidade de Queensland (Austrália). Os cientistas identificaram que as pessoas que tiveram traumas na infância ficaram mais eufóricas e com vontade maior de outra dose de morfina.

O estudo ainda diz que aqueles sem trauma de infância eram mais propensos a não gostar dos efeitos e sentir tonturas ou náuseas. “Este é o primeiro estudo a relacionar o trauma da infância com os efeitos dos opioides em pessoas sem histórico de dependência, sugerindo que o trauma da infância pode levar a uma maior sensibilidade aos efeitos positivos e prazerosos dos opioides. Isso pode explicar a ligação entre o trauma na infância e a vulnerabilidade ao transtorno do uso de opioides, e tem implicações para os tratamentos e a prescrição de opioides", apontam os pesquisadores.

(Imagem: erika8213/Envato)
(Imagem: erika8213/Envato)

A equipe de pesquisa comparou os efeitos da morfina em 52 pessoas saudáveis, 27 com histórico de abuso e negligência na infância e 25 que não relataram tais experiências na infância. Os participantes do estudo, com idades entre 18 e 65, compareceram a duas sessões, com uma semana de intervalo, e receberam uma dose ativa de morfina (0,15 mg / kg) ou uma dose de controle insignificante (0,01 mg / kg) em um ensaio randomizado.

Suas experiências com a morfina foram avaliadas por meio de um questionário, antes e depois das injeções de morfina. “Uma possível explicação para as diferentes respostas à morfina é que o trauma da infância afeta o desenvolvimento do sistema opioide endógeno, um sistema de alívio da dor que é sensível a produtos químicos, incluindo endorfinas, nossos opioides naturais”, explicam os autores do artigo. O estudo completo pode ser visto aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos