Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.464,76
    -3.398,27 (-5,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Pessoas que comem mais peixe têm menos sinais de doenças cerebrovasculares

·1 min de leitura

As doenças cerebrovasculares são aquelas que atingem e danificam os vasos do cérebro a longo prazo. Em um novo estudo, pesquisadores da Universidade de Bordeaux (França) apontam que pessoas que comem peixe com mais frequência apresentam menos sinais desse tipo de doença.

Para entender essa relação, os pesquisadores analisaram imagens de ressonância magnética de 1.623 pessoas com mais de 65 anos sem histórico de acidente vascular cerebral (AVC), doença cardiovascular ou demência. Os participantes também preencheram um questionário sobre seus hábitos alimentares.

Os integrantes do estudo foram divididos em quatro grupos, de acordo com a frequência com que comiam peixe: menos de uma vez por semana, uma vez por semana, duas a três vezes por semana ou quatro ou mais vezes por semana. Os pesquisadores fizeram, então, uma comparação do número de sinais de doenças dos vasos sanguíneos entre as pessoas de cada grupo.

Pessoas que comem mais peixe têm menos sinais de doenças cerebrovasculares (Imagem: microgen/envato)
Pessoas que comem mais peixe têm menos sinais de doenças cerebrovasculares (Imagem: microgen/envato)

O estudo percebeu que os participantes que comiam peixe com mais frequência tiveram menos sinais de danos nas imagens de ressonância magnética de seus cérebros do que os outros. Entretanto, os próprios responsáveis pela pesquisa ressaltam que, como os participantes fizeram uma única varredura do cérebro e relataram seus hábitos alimentares, ainda não está clara essa relevância para a saúde do cérebro a longo prazo. De qualquer forma, mais estudos precisam ser conduzido na área. A pesquisa foi publicada na revista científica Neurology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos