Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,89
    +0,11 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.820,70
    +3,20 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    20.048,45
    -284,26 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,28
    -9,39 (-2,14%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    22.008,48
    +11,59 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    26.601,57
    -203,03 (-0,76%)
     
  • NASDAQ

    11.651,50
    -39,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Pessoas mais altas têm mais risco de ter doenças de pele, coração e nervos

Pessoas mais altas têm mais riscos de desenvolver problemas de pele, nervos e coração. É isso o que aponta um novo estudo, que sugere o uso da altura como fator de risco na priorização de testes. A estatura de um adulto é determinada por milhares de variações genéticas, em conjunto com fatores ambientais como status socioeconômico.

Enquanto estudos anteriores já buscaram separar causas externas ao usar genes para descobrir a altura geneticamente determinada de uma pessoa — e conseguiam ligar a verticalidade a cerca de 50 doenças —, a nova pesquisa da Universidade do Colorado, nos EUA, buscou entender sua relação com outras doenças.

Com a descoberta de marcadores genéticos de altura, será possível fazer testes relacionados à altura em clínica, dizem cientistas (Imagem: Microgen/Envato Elements)
Com a descoberta de marcadores genéticos de altura, será possível fazer testes relacionados à altura em clínica, dizem cientistas (Imagem: Microgen/Envato Elements)

Quão perigoso é ser alto?

Para o estudo, foram analisados dados de 323.793 ex-membros das forças armadas dos EUA que se inscreveram em um programa de investigação da ligação entre genes, fatores ambientais e doenças. Sabemos que 3.290 variações genéticas influenciam a altura, e a equipe as associou a mais de 1.000 características clínicas.

Entre os riscos genéticos verificados nas pessoas mais altas, há fibrilação atrial (frequência cardíaca irregular), palpitações e problemas circulatórios, além de danos nervosos e infecções da pele e dos ossos.

Para garantir que fatores ambientais que influenciam altura e propensão a doenças não influenciassem no estudo, foram utilizados apenas marcadores genéticos que preveem a altura — ou seja, não foi analisada a altura real dos participantes.

Mesmo assim, a equipe confirmou que as condições tinham as mesmas associações à estatura real dos indivíduos, sugerindo que medir a altura de alguém pode ser uma maneira rápida e fácil de determinar o risco de desenvolver certas doenças. Quanto mais alta a pessoa for, maior será o risco. Como a altura prevista geneticamente e a altura medida são bem correlacionadas, medir alguém em uma consulta é o suficiente.

Os cientistas acreditam que as descobertas do estudo podem levar ao desenvolvimento de testes relacionados à saúde em indivíduos muito altos, mas ressaltam que investigações mais profundas são necessárias antes de trazer exames desse tipo à prática clínica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos