Mercado fechará em 1 h 23 min
  • BOVESPA

    109.627,33
    -513,31 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.894,15
    +19,24 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,11
    -1,77 (-2,33%)
     
  • OURO

    1.876,90
    -53,90 (-2,79%)
     
  • BTC-USD

    23.585,47
    -285,89 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    539,59
    +2,73 (+0,51%)
     
  • S&P500

    4.176,30
    -3,46 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    34.160,47
    +106,53 (+0,31%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.838,25
    -8,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5523
    +0,0626 (+1,14%)
     

Pessoas LGBTQIA+ recebem salários mais baixos, revela estudo

Young woman working on desktop computer at home
Sexualidade e identidade de gênero ainda influenciam na remuneração dos profissionais (Getty Image)
  • Estudo realizado com dados de 24 países aponta disparidade salarial entre heterossexuais e LGBTs

  • Segundo dados da pesquisa, pessoas LGBT recebem, em média, 6,8% a menos

  • Apesar dos esforços para promoção dos direitos humanos, ainda existe clara distinção no mercado de trabalho

Para além do direito de amar, pessoas LGBT ainda precisam lutar para garantir saúde, segurança e igualdade de oportunidades. No mercado de trabalho as coisas não são diferentes. Segundo uma pesquisa publicada no periódico científico Journal of Population Economics, pessoas cis e heterossexuais recebem 6,8% a mais do que LGBTs.

Leia também:

Os dados do levantamento mostram que a orientação sexual influencia diretamente na remuneração dos colaboradores das empresas. Enquanto homens bissexuais ganham 10,3% menos do que heterossexuais, mulheres bissexuais recebem 5,1% menos do que as que se declararam heterossexuais.

O estudo foi realizado em 24 países, analisando a remuneração de países como Estados Unidos, Austrália e integrantes da União Europeia. As informações apuradas revelam que apesar dos investimentos em promoção de igualdade e direitos humanos, a disparidade de oportunidades continua penalizando indivíduos em razão da orientação sexual.

De acordo com Nick Drydakis, o economista responsável pela pesquisa, a distinção salarial com base na orientação sexual "representa uma grande causa para preocupação".