Mercado abrirá em 5 hs
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,30
    +0,54 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.797,20
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    62.032,93
    +1.285,13 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.175,36
    +48,43 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.376,00
    +35,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

As pessoas ficaram mais sedentárias na pandemia

·1 minuto de leitura

A pandemia de covid-19 mudou radicalmente os nossos hábitos. E no que diz respeito às atividades físicas, não é diferente. Um estudo da Unesp apontou que esse período tão conturbado para a nossa sociedade foi responsável pela redução de 35% no nível de atividade física e aumento de 28,6% nos comportamentos sedentários, considerando a necessidade de ficar em casa.

Os pesquisadores da Unesp estimam que a prevalência atual de inatividade física – isto é, não realizar a quantidade mínima de exercício recomendado pelas organizações de saúde – é de 57,3% entre a população com mais de 40 anos e 57,7% entre indivíduos com risco de diabetes. Com isso, a falta de atividade física será responsável por 9,6% (11,1 milhões) dos casos de diabetes e 12,5% (1,7 milhão) da mortalidade geral no mundo, caso essa alta prevalência se mantenha por tempo prolongado. O estudo completo pode ser encontrado aqui.

(Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)
(Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)

Enquanto isso, um estudo publicado pelo British Journal of Sports Medicine identificou 48.440 pacientes adultos com diagnóstico de covid de 1 de janeiro de 2020 a 21 de outubro de 2020 com pelo menos três medições de sinais vitais de exercício de 19 de março de 2018 a 18 de março de 2020.

A pesquisa aponta que pacientes com covid-19 que permaneceram inativos consistentemente durante os 2 anos anteriores à pandemia tinham maior probabilidade de hospitalização, UTI ou morte, e reitera que a inatividade física foi o fator de risco mais forte para desfechos graves. Esse último estudo pode ser encontrado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos