Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,84
    -0,83 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.780,80
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    55.042,11
    -136,38 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.256,67
    +22,26 (+1,80%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.888,50
    +28,63 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.778,00
    -16,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6762
    -0,0263 (-0,39%)
     

Pessoas com sangue tipo A são 2,5x mais propensas a desenvolver COVID grave

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Pessoas que possuem o tipo sanguíneo A são as mais prováveis a desenvolver uma forma mais grave da COVID-19, de acordo com um estudo realizado em parceria do Hemocentro com o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCRP), da USP. De acordo com Gil de Santis, médico, professor e um dos responsáveis do estudo, é importante considerar a análise sanguínea no momento do diagnóstico de pessoas contaminadas pelo coronavírus.

Santis diz que é crucial que a equipe médica entenda os riscos que os pacientes correm na questão da evolução da doença. "Por exemplo, saber se ele tem diabetes, saber se ele tem doença do coração e saber qual é o tipo sanguíneo também, para ele dar pelo menos uma atenção especial para esses pacientes", explica o médico.

<em>Imagem: Reprodução/Rawpixel</em>
Imagem: Reprodução/Rawpixel

O Hemocentro revela que os resultados foram obtidos através da análise de um estudo realizado no ano passado, que usava o plasma para ajudar na recuperação de pacientes em estado grave. De acordo com a pesquisa, foi observado que 37 de 72 pacientes em estado crítico, que haviam recebido plasma do Hemocentro, tinham sangue do tipo A, e 28% deles do tipo O. As respostas desse estudo são opostas em relação à prevalência dos tipos de sangue de toda a população, que em sua maioria é O, e o médico concluiu que o risco de casos graves da COVID-19 no tipo A é 2,5 vezes maior.

Os motivos da prevalência da gravidade em pessoas com sangue do tipo A ainda não tem uma explicação científica, mas os especialistas acreditam na associação desta tipagem com a falta dos anticorpos que estão presentes em outros tipos, o que acaba atrapalhando na hora de combater o coronavírus. Existe ainda a possibilidade de os pacientes com sangue tipo O serem menos propensos a desenvolverem trombose, condição que surge em evoluções mais graves da COVID-19.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: