Mercado abrirá em 3 h 59 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,93
    -0,73 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.804,90
    +6,10 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    59.044,33
    -917,23 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.427,16
    -47,17 (-3,20%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.234,08
    -19,19 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    25.534,18
    -94,56 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.630,75
    +43,50 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4511
    +0,0264 (+0,41%)
     

Pessoas de 28 a 41 anos podem tomar a 2ª dose da Pfizer na cidade de SP nesta sexta (24)

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO/ SP, BRASIL,- 08.04.2021 -  passo a passo da vacinação contra a Covid-19, Coronavirus.  (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO/ SP, BRASIL,- 08.04.2021 - passo a passo da vacinação contra a Covid-19, Coronavirus. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A partir desta sexta-feira (24), pessoas de 28 a 41 anos que tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19 da fabricante Pfizer já poderão tomar a dose de reforço do imunizante. A medida acontece após a Prefeitura de São Paulo, gestão Ricardo Nunes (MDB), acompanhar o cronograma estadual e antecipar o intervalo entre as doses para 8 semanas, e não mais 12, como acontecia até então.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e do Programa Municipal de Imunizações (PMI), informa que são aguardadas 9.147 pessoas de todas as faixas etárias.

Assim, todas as pessoas que tomaram a primeira dose do fabricante há no mínimo oito semanas estão aptas a receber a segunda injeção, mesmo que o cartão de vacinação indique uma data posterior.

Serão vacinados todos aqueles que tomaram a primeira dose em até 56 dias, ou seja, até 30 de julho, e assim sucessivamente. Neste período, pessoas de 28 a 41 anos foram imunizadas pelo cronograma municipal.

Com relação às outras vacinas, o intervalo para a segunda dose segue sendo de 12 semanas para AstraZeneca e 28 dias para Coronavac.

A redução de intervalo entre as vacinas também pode ocorrer por meio das doses remanescentes, a chamada xepa: 30 dias de intervalo em relação à primeira dose para AstraZeneca e Pfizer, e 15 dias para a Coronavac. É necessário ir até uma UBS (Unidade Básica de Saúde) para realizar a inscrição.

De acordo com o Governo de São Paulo, gestão João Doria (PSDB), 6,9 milhões de pessoas já imunizadas com a primeira dose serão beneficiadas com esta redução de tempo de espera em todo o estado.

Em nota à reportagem, o governo estadual disse que a cidade de São Paulo recebeu nesta quarta-feira (22) mais de 831,4 mil doses da vacina contra a Covid-19. A prefeitura disse que, destas doses, 567,9 mil são da fabricante Pfizer.

"O adiantamento da segunda dose é possível e até melhor, pois teremos um grande percentual da população completamente vacinada em um período mais curto", diz Robert Fabian Crespo Rosas, infectologista e professor do Centro Universitário São Camilo.

"Esse adiantamento não vai prejudicar a produção de anticorpos, pelo contrário, deve estimular ainda mais", completa o especialista.

O médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Gonzalo Vecina, afirma que essa antecipação é positiva. "No caso da Pfizer, a distância entre as doses foi aumentada para garantir mais primeiras doses, mas a resolução é positiva para melhorar a eficácia da vacina", enfatiza.

"Esse período na verdade é a recomendação da fabricante, caso diferente da AstraZeneca, em que a recomendação é de 12 semanas, como já está sendo feito no Brasil", completa Vecina.

O líder do departamento de infectologia do Hcor, de São Paulo, Guilherme Furtado, destaca a importância das duas doses.

"Para ter uma vacinação efetiva, é preciso tomar duas doses. O intervalo estava sendo um pouco estendido na segunda dose, mas agora com essa antecipação conseguiremos uma imunização completa da vacinação em menos tempo. É ainda mais essencial agora, já que a terceira dose está sendo distribuída", afirma Furtado.

"A alta da vacinação reflete na menor incidência de casos em termos de internação e de quadros mais graves", ressalta o médico do HCor.

Para a vacinação de segunda dose, o cidadão deve levar o comprovante de vacinação da primeira dose, documento com foto e comprovante de residência na capital paulista. O site "De Olho na Fila" mostra o movimento nos postos de vacinação em tempo real.

Em paralelo com a vacinação de segunda dose, a capital paulista continua vacinando adolescentes de 12 a 17 anos, nesta quinta (23) e sexta (24), além da aplicação de dose adicional para idosos acima de 80 anos que tomaram a segunda dose ou a dose única há mais de seis meses.

A vacinação também estará disponível para pessoas com mais de 18 anos que tenham alto grau de imunossupressão.

Segundo a prefeitura, a partir desta quinta (23), as doses remanescentes também estão destinadas aos trabalhadores da saúde com mais de 18 anos que tomaram a segunda dose ou dose única há pelo menos seis meses, exceto gestantes e puérperas. As inscrições podem ser feitas, a partir de hoje, em qualquer UBS (Unidade Básica de Saúde) do município.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos