Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,18
    +1,78 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.815,40
    -3,50 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    30.409,24
    +387,75 (+1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    684,13
    +441,45 (+181,91%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.984,02
    +324,27 (+1,22%)
     
  • NASDAQ

    12.549,00
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2145
    +0,0041 (+0,08%)
     

Pessimistas dizem que S&P 500 ainda pode cair 700 pontos

(Bloomberg) -- É um fato da vida nos mercados em dificuldades: tem sempre alguém que diz que as coisas vão piorar. Segundo vários estrategistas de ações nos EUA, elas estão prestes a piorar muito.

Depois de estender as perdas do ano para cerca de 13%, o S&P 500 corre o risco de um mergulho ainda mais profundo nos próximos meses, de acordo com a equipe de pesquisa técnica e macro da Strategas.

O grupo liderado por Chris Verrone se prepara para uma queda em direção à faixa de 3.500 a 3.700 pontos, que abrange a média móvel de 200 semanas do índice e o ponto médio de toda sua alta desde o fundo do poço da pandemia em 2020. Uma queda para 3.500 representaria uma perda de 16% em relação ao fechamento de segunda-feira.

Esse pessimismo é ecoado por Mike Wilson do Morgan Stanley, que diz que o indicador de referência das ações americanas corre o risco de cair para 3.460 pontos se o crescimento estimado dos lucros começar a ficar negativo em meio a preocupações com a recessão.

Os investidores, claramente assustados, começaram a retirar dinheiro dos fundos de ações em abril. Embora os fluxos de saída sejam insignificantes em comparação com o que eles adicionaram nos dois anos anteriores, a história mostra que, quando as vendas começam, é difícil voltar atrás.

Nos 10 casos anteriores em que as ações sofreram grandes perdas nos primeiros quatro meses de um ano, seis vezes o mercado estendeu seu declínio até dezembro e apenas duas vezes teve ganhos superiores a 10%, segundo dados da Strategas.

“2020 é a exceção óbvia, mas uma queda acentuada até abril geralmente significa que o resto do ano continua sendo difícil”, escreveu Verrone em nota. “Continue a proceder com cautela.”

A alta volatilidade domina os mercados desde janeiro, quando o Federal Reserve deixou claro suas intenções de combater agressivamente a inflação. O primeiro aumento de juros do banco central em três anos colocou os Treasuries em queda e prejudicou o apelo das maiores empresas do mercado de ações. A guerra na Ucrânia, os novos bloqueios de Covid na China e outros ventos contrários aumentaram o risco de uma recessão e a turbulência.

Depois de passar o primeiro trimestre comprando nas quedas, alguns otimistas estão desistindo depois de um abril tumultuoso. No mês até 27 de abril, os fundos focados em ações tiveram saídas de US$ 30 bilhões, segundo dados compilados pela EPFR Global.

A queda de 9% do S&P 500 em abril foi o pior desempenho do índice para o mês desde 1970.

A análise dos gráficos mostra poucos sinais de estarmos perto do fundo do poço, segundo Gina Martin Adams da Bloomberg Intelligence.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos